VOLTAR

Fontes renováveis de energia também provocam impactos

O Globo, Sociedade, p. 26
05 de out de 2018

Fontes renováveis de energia também provocam impactos
Fazendas eólicas podem contribuir para aquecimento, alerta estudo

Para salvar o planeta do caos climático, o mundo precisa avançar rapidamente na transição dos combustíveis fósseis para as fontes renováveis de energia. E, para que a mudança seja bem-sucedida, é preciso avaliar os prós e os contras de cada modelo de produção energética.
Em artigos publicados ontem nas revistas "Environmental Research Letters" e "Joule", pesquisadores da Universidade de Harvard alertam que a transição para a energia solar ou eólica nos EUA irá exigir entre cinco e 20 vezes mais terras do que se pensava, e que as fazendas eólicas de grande escala poderão aumentar a temperatura média da superfície da parte continental do país em 0,24 grau Celsius.
- O vento bate o carvão em qualquer medição ambiental, mas isso não significa que seus impactos sejam insignificantes -afirmou David Keith, professor de Física Aplicada na Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas de Harvard, ressaltando que as tecnologias de baixo carbono também têm impactos sociais e ambientais.
Segundo Keith, a geração eólica está sendo superestimada por negligenciarem as interações entre as turbinas. Ao movimentar as pás, os ventos perdem força, criando uma "sombra do vento", o que pode reduzir a produção energética e provocar um aquecimento na superfície.
- A densidade energética média, que é a taxa da geração energética dividida pela área ocupada pela usina, era até cem vezes menor do que as estimativas de alguns dos maiores especialistas no setor - afirmou Miller. - A maioria dessas estimativas não considerou a interação da turbina com a atmosfera. Para uma usina isolada, as interações não são importantes, mas, quando as fazendas se estendem por cinco a dez quilômetros, essas interações geram grandes impactos na densidade energética.
Para a energia solar, a densidade energética média é dez vezes maior que a produção eólica, mas também muito abaixo das estimativas anteriores. Dessa forma, concluem os pesquisadores, a transição exigirá mais terras do que previsto anteriormente.
EFEITO LOCAL
Segundo o outro estudo, publicado na "Joule", o aquecimento relacionado com as turbinas tem um efeito local, enquanto as concentrações de gases do efeito estufa exigem uma ação global para que os benefícios sejam sentidos.
-Se a sua perspectiva forem os próximos dez anos, a energia eólica, na verdade, tem mais impactos climáticos que o gás ou o carvão. Se a perspectiva forem os próximos mil anos, então a energia eólica tem muito menos impacto climático -destacou Keith.
Para a energia solar, os cientistas mediram que os impactos climáticos são cerca de dez vezes menores em comparação às fazendas eólicas.
- Esse trabalho não deve ser visto como uma crítica fundamental à energia eólica - defendeu o pesquisador. - Nossa esperança é que o estudo marque um ponto de virada onde os impactos climáticos da energia eólica comecem a receber consideração nas decisões estratégicas sobre a descarbonização do sistema energético.

O Globo, 05/10/2018, Sociedade, p. 26

https://oglobo.globo.com/sociedade/ciencia/cientistas-alertam-para-impa…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.