VOLTAR

Focos em área protegida crescem 275% em 2010

OESP, Vida, p. A18
24 de ago de 2010

Focos em área protegida crescem 275% em 2010
O Parque Nacional do Araguaia (TO) era, até ontem, o recordista em incêndio no País, seguido por área no PA

Andrea Vialli

O número de focos de incêndios em áreas de proteção ambiental, como parques e reservas, cresceu 275% em 2010, em comparação com o mesmo período do ano passado. Até ontem, as unidades de conservação estaduais e federais registraram 20.905 focos de queimadas - há um ano, foram 5.562 focos entre 1. de janeiro e 23 de agosto de 2009. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e incluem todos os satélites que monitoram focos de calor no País.
O Parque Nacional do Araguaia, no Tocantins, era, até ontem, o recordista em focos de incêndio: 2.843, seguido da Área de Preservação Ambiental Triunfo do Xingu, no Pará (1.607 focos) e do Parque Estadual do Mirador, no Maranhão, com 923 focos.
O avanço expõe problemas como a escassez de equipes treinadas para conter incêndios, as dificuldades de logística para se chegar aos focos no interior das unidades e evidencia o risco da prática agrícola de se atear fogo no solo em épocas de estiagem prolongada.
"Há regiões do Norte e do Centro-Oeste onde não chove há mais de 120 dias. A vegetação mais seca e o hábito ainda muito difundido das queimadas entre os agricultores ajudam a espalhar o fogo e a situação foge do controle", afirma Luiz Cavalcante, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).
Cana. Em São Paulo, o risco de mais queimadas levou a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) a proibir a queima da palha de cana-de-açúcar em 28 regiões. Ontem, havia mais de 600 focos de incêndio em todo o Estado.

OESP, 24/08/2010, Vida, p. A18

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100824/not_imp599393,0.php

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.