VOLTAR

Floresta Nacional de Ipanema realiza capacitação para marcação de matrizes

Ibama
Autor: Janette Gutierre
20 de dez de 2006

Amanhã (21), o Ibama, por meio da Floresta Nacional de Ipanema, em parceria com a Rede de Sementes da Floresta Estacional Semidecidual, realiza, na unidade de conservação, em Iperó, interior de São Paulo, o 1o Curso de Nivelamento sobre Marcação de Matrizes (plantas escolhidas para a produção de sementes). Todos os participantes vão a campo, para aplicar o que foi demonstrado nas aulas teóricas. Serão abordados os seguintes temas: Mecanismos Reprodutivos e Produção de Sementes, com a professora Fátima Piña Rodrigues, da UFSCar – campus Sorocaba; Critérios Genéticos para Localização e Escolha de Matrizes, com os professores Edson Mori da UNESP – campus Botucatu e Leo Zimback, do Instituto Florestal; e Recomendações e Restrições para a Marcação de Matrizes, com as professoras Fátima Piña Rodrigues, da UFSCar – campus Botucatu e Flaviana Maluf de Souza, do Instituto Florestal.

Essa capacitação foi um dos indicativos das reuniões técnicas da Rede de Sementes – Rede FES, que busca dar qualidade e diversidade genética para sementes e mudas de espécies nativas dessa mata, que é a matriz principal observada na Floresta Nacional de Ipanema, com a definição de critérios técnicos para esse trabalho e com todos os parceiros atendendo a esses condicionantes. A Rede de Sementes da Floresta Estacional Semidecidual é integrada pelo Ibama, por meio da Floresta Nacional de Ipanema, Universidade de Sorocaba – UNISO, Instituto Ecoar, Prefeitura de Boituva, Instituto Florestal, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, Associação Mata Ciliar, Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Sorocaba e Médio Tietê, Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal/ESALQ/USP e Assentamento Ipanema. Os objetivos desse grupo são possibilitar o nivelamento técnico entre parceiros, discutir estratégias comuns (como capacitação e lotes com diversidade genética) e padronizar procedimentos, visando, entre outros, trabalhar dados em conjunto.

Os especialistas em coleta de sementes e produção de mudas nativas indicam ser necessárias sementes de, pelo menos, 45 matrizes para se obter a diversidade adequada. A diversidade genética, a diversidade de espécies e a qualidade das sementes e das mudas, buscando-se a identificação de origem, dificilmente são obtidas em trabalhos individuais, pela dificuldade de matrizes de qualidade e de recursos humanos.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.