VOLTAR

Está escrito: cerrado desaparecerá em 2030

CB, Brasil, p. 9
19 de jul de 2004

Está escrito: cerrado desaparecerá em 2030
ONG internacional avisará o governo brasileiro que, se o atual nível de desmatamento continuar, bioma será extinto em duas décadas

Conclusões de amplo estudo da organização não-governamental (ONG) Conservação Internacional (CI-Brasil) alertam para o perigo de o cerrado brasileiro desaparecer até 2030 caso a taxa anual de desmatamento (1,5%, ou 3 milhões de hectares) do bioma se mantenha. Levantamento feito entre setembro e novembro do ano passado, a partir de imagens de satélites do ano de 2002, constatou que dos 204 milhões de hectares originais, 57% já não existem mais.
"A tendência é piorar'', afirma Ricardo Machado, diretor da CI-Brasil para o cerrado. Estudo publicado em 1994 - com base em dados de 1985 - pelo professor da Universidade de Brasília (UnB) Bráulio Dias indicou que 37% do cerrado já havia sido desmatado. Índice que subiu para 49% em 1998, de acordo com estudo realizado por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).
''O cerrado perde 2,6 campos de futebol por minuto de sua cobertura vegetal. Essa taxa de desmatamento é dez vezes maior que a da mata atlântica, que é de um campo a cada quatro minutos'', compara Machado. O diretor da CI-Brasil afirma que, atualmente, a principal pressão sobre o bioma é a expansão da fronteira agrícola, basicamente a produção de grãos, especialmente soja e algodão. Nas últimas décadas, segundo ele, aumentou muito a expansão da pecuária de corte. O estudo da ONG constatou que a degradação é maior nos estados de Mato Grosso do Sul, Goiás e Mato Grosso; no Triângulo Mineiro e no oeste da Bahia.
O diagnóstico, porém, não é capaz de estimar a real porcentagem de mata nativa nas áreas remanescentes. Pelos cálculos de Machado, a cobertura vegetal de aproximadamente metade dos remanescentes de cerrado já sofreu alterações, podendo não mais servir à conservação da biodiversidade.
Ele chama a atenção para o fato de o cerrado abrigar ''a mais rica savana do mundo, com grande biodiversidade, e recursos hídricos valiosos para o Brasil'', mas cuja importância não é reconhecida. ''Muitos líderes e tomadores de decisão defendem, equivocadamente, o desmatamento do cerrado só porque ele não é coberto por densas florestas tropicais, como a mata atlântica ou a Amazônia'', afirma. ''Ninguém se preocupa e as possibilidades de conservação estão cada vez mais escassas.''
Entre os principais problemas provocados pelo desmatamento do bioma, o diretor da CI-Brasil destaca a degradação de rios importantes como o São Francisco e o Tocantins, e a destruição de habitat que compromete a sobrevivência de milhares de espécies.
As conclusões do estudo serão entregues ao Ministério do Meio Ambiente esta semana com sugestões de ações para que para que o processo de degradação seja freado. Ele sugere, por exemplo, que um pequeno percentual dos investimentos previstos pelo governo federal na próxima safra agrícola sejam destinados para um fundo de proteção de mananciais hídricos, recuperação de áreas degradadas e manutenção de unidades de conservação. ''Se isso for feito, pela primeira vez um governo brasileiro estará tentando conjugar uma política de proteção ambiental com uma política de produção''.
Canela-de-ema vive em estufa

Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) atestaram que o cerrado pode ser recuperado com espécies vegetais da paisagem original. Os resultados obtidos contestam os argumentos de que não há alternativa para substituir a vegetação exótica (eucalipto e capins braquiária e meloso, por exemplo), diz o professor Geraldo Wilson Fernandes, do Departamento de Biologia Geral da UFMG, coordenador da pesquisa.

O estudo pioneiro reproduziu em estufas milhares de mudas de 40 espécies nativas, como bromélia, quaresmeira, alecrim, sempre-viva, orquídeas, canela-de-ema e outras, que tiveram a capacidade de replantio comprovada. ''São espécies, em geral, ameaçadas de extinção e muitas delas não foram investigadas anteriormente'', observa Fernandes. Ele argumenta que as ''culturas intrusas'' tornam-se, na verdade, ''invasoras'' de parques, veredas e reservas do ecossistema.

''O fato é que elas têm compostos químicos diferentes e competem com as plantas nativas, acabando por sobrepujá-las'', diz o pesquisador, salientando que, além do malefício estético, as espécies exóticas afetam, muitas vezes, as condições de vida da fauna, retirando água do solo. ''Elas acabam secando essas áreas.''

Segundo Fernandes, mais de 50% do Parque Nacional das Emas, em Goiás, foram ''invadidos'' pelo capim braquiária. A mesma dificuldade, conforme o pesquisador, pode ser observada na Serra do Cipó, a cerca de 100 quilômetros de Belo Horizonte, o local escolhido para os estudos de campo da investigação científica.

CB, 19/07/2004, Brasil, p. 9

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.