VOLTAR

Espaço Floresta Legal chega ao Vale do Paraíba

Secretaria do Meio Ambiente - www.ambiente.sp.gov.br
Autor: Rosely Ferreira
23 de nov de 2009

Caracterizada pela exuberância e riqueza tanto de espécies animais quanto vegetais, como também pela diversidade de paisagens e atrativos, o Núcleo Santa Virgínia é o principal atrativo natural dos municípios de São Luiz do Paraitinga e Natividade da Serra. Suas florestas preservam importantes mananciais para o abastecimento de águas de cidades do Vale do Paraíba, até mesmo do estado do Rio de Janeiro.

Por isso, o núcleo Santa Virgínia não podia deixar de incluir em suas atividades o espaço Floresta Legal, do Projeto Criança Ecológica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente - SMA, que tem o objetivo de sensibilizar as crianças do 5 ano do Ensino Fundamental I sobre os conceitos básicos da agenda ambiental. O projeto envolve locais pedagogicamente preparados para receber as excursões de alunos, são eles: Villa Ambiental, no Parque Villa-Lobos; Bicho Legal, no Zoológico de São Paulo; Água Amiga, no Parque Ecológico Gurapiranga; Verde Vivo, Jardim Botânico de São Paulo; e o Floresta Legal, nas Unidades de Conservação. O novo espaço Criança Ecológica, inaugurado em 18.11, possui TV, DVD, livros, para que as crianças de 7 a 10 anos possam realizar atividades ecológicas, assistir a vídeos sobre o tema e fazer atividades lúdicas.

Toda a turma do projeto - Bob Água, Frida Flor, Nika Valente, Max Limpo, Fred Fauno, Poli Vigarista e Dick Poluição - foi recebida por 35 crianças das Escolas Municipal Coronel Domingues de Castro e Joaquim Ribeiro de Almeida. Para o gestor do Núcleo Santa Virgínia, João Paulo Villano, não são só as crianças que aprendem com o projeto. "Nós gestores e monitores estamos buscando conhecimentos específicos, de ajustamento, para trabalhar com as crianças nessa faixa etária. Essas crianças serão as nossas interlocutoras no futuro.", disse.

Novo espaço no Núcleo Cunha
No último dia 19.11, o Núcleo Cunha, localizado no extremo norte do Parque Estadual Serra do Mar, inaugurou também seu próprio espaço Floresta Legal. Para a inauguração, cerca de 40 crianças aproveitaram a tarde de sol e fizeram trilhas por entre as araucárias, com poços e cachoeiras para banho e contemplação. A maior alegria foi quando, após assistirem o filme Criança Ecologia, conheceram os personagens de perto. "Quando eu crescer quero ser também criança ecológica", disse Giovana Monteiro de Castro, 9 anos, da Escola Municipal Benedito Aguiar Santana, deslumbrada com os personagens. Já Mateus Henrique, 10 anos, gostou muito do Bob Água "porque ele não deixa ninguém sujar a água" . Apenas a personagem Poli Vigarista foi muito vaiada por suas atitudes nada ecológica.

O Núcleo Cunha realiza várias ações de educação ambiental, voltadas a diversos segmentos da sociedade, com o objetivo de ampliar e ressaltar a importância das áreas legalmente protegidas. Em seu interior há um laboratório de Hidrologia Florestal Walter Emmerich, onde são realizadas pesquisas sobre as funções hidrológicas da Mata Atlântica.

Nos dois eventos, Malu Freire, coordenadora de Educação Ambiental da SMA, enalteceu o trabalho da secretaria e o empenho do secretário Xico Graziano na condução dos projetos ambientais. "De todos os projetos da secretaria, o de Educação Ambiental é o que mais o secretário se envolve pessoalmente. Ele tem trabalhado com muito afinco para resgatar a educação ambiental no Estado de São Paulo".

Para o gestor do Parque Estadual Serra do Mar - Núcleo Cunha, Roberto Starzynski, o trabalho desenvolvido propicia à população melhor conhecimento da preservação ambiental. "Temos dois objetivos na linha de trabalho: uma é a de proteção e preservação da natureza e a outra é abertura para visitação pública. As pessoas, quando vêem o resultado do nosso trabalho, passam a acreditar que preservar é possível. Por isso acredito que a educação ambiental é importante para preservar essa biodiversidade", salientou Starzynsky.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.