VOLTAR

Equipe registra nova especie de vida em Abrolhos

GM, Fim de Semana, p.7
16 de Jan de 2004

Equipe registra nova espécie de vida em Abrolhos
Uma expedição composta por especialistas de diversas áreas - biólogos, mergulhadores, cinegrafistas, oceanógrafos - retratou, durante 35 dias, a fauna do litoral do extremo sul da Bahia. O resultado está reunido no documentário "Biodiversidade em Abrolhos", produzido pela Natureza e Imagem, produtora especializada em captação de imagens da natureza com sede em São Paulo.
É a primeira vez que uma equipe totalmente brasileira realiza trabalho semelhante no Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, que abriga a maior biodiversidade marinha do Atlântico Sul, de acordo com Rodrigo Astiz, um dos responsáveis pela Natureza & Imagem. O parque também é famoso pela presença das baleias jubarte, que buscam as águas quentes locais, nos meses de julho e novembro, para reprodução.
"Biodiversidade em Abrolhos" traz imagens subaquáticas, captadas por mergulhadores e por microcâmeras instaladas na embarcação Oceanus, de propriedade da empresa. Houve também o trabalho de uma "equipe seca", que registrou as aves nas ilhas rochosas do parque marinho.
Entre aves marinhas (atobás, gaivotas), peixes (barracudas, moréias, arraias, badejos), tartarugas, baleias, corais e chapeirões (formações coralinas características da região, cuja forma lembra um cogumelo, que surge por volta dos 15 metros de profundidade e chega até a superfície) registrados durante a expedição, a equipe descobriu uma nova espécie de ceriantus. O invertebrado, uma espécie de primo dos corais, nunca havia sido visto em Abrolhos.
De acordo com Marcelo Skaf, um dos sócios da produtora, algumas imagens captadas do ceriantus foram enviadas ao Museu Nacional do Rio de Janeiro, para identificação. "Pode ser que seja uma espécie invasora, trazida para o litoral brasileiro grudada no casco de um navio", afirma Rodrigo Astiz. Além de Astiz e Skaf, a expedição contou com a fotógrafa e mergulhadora Fernanda Rodrigues e com o apoio do biólogo especializado em vida marinha, Rodrigo Leão. O Ibama e a ONG Conservation International forneceram apoio logístico.
"O documentário tem como objetivo mostrar a necessidade de se conservar a vida no arquipélago", diz Astiz. A conservação do ecossistema de Abrolhos, afirma o cinegrafista, vai além da consciência ecológica. "A pesca é uma importante fonte de renda para a população local. Além disso, a descoberta de novas espécies pode significar avanços no campo da biotecnologia, com o desenvolvimento de novos medicamentos", afirma Astiz, lembrando da pressão feita por ambientalistas contra a licitação de exploração de petróleo em áreas próximas ao arquipélago. "Um acidente poria em risco a vida de milhares de aves, peixes, baleias e outros animais ameaçados de extinção." A Agência Nacional do Petróleo (ANP) acabou cancelando a licitação no local.
O documentário final, com 45 minutos de duração, deverá ser veiculado pela rede de televisão Band, em data ainda não definida, por causa dos acertos finais com o patrocinador. Trechos do documentário também serão exibidos nos telejornais da emissora.
A Natureza & Imagem surgiu no final de 2001. Skaf, Astiz e Fernanda, que dividem o comando da produtora, têm experiência em coordenar, roteirizar e dirigir expedições documentais e fotográficas no Brasil e no exterior. Recentemente, o documentário "Ilha dos Golfinhos", sobre os golfinhos-rotatores de Fernando de Noronha (PE), dirigido por Astiz e Lawrence Wahba, foi premiado com a Palma de Bronze do Festival de Antibes, na França (um dos mais importantes festivais de imagens subaquáticas do mundo). O documentário foi co-produzido pelo 20th Century Fox, Canal Azul e NHNZ - Natural History New Zealand.
Há cerca de dois anos, a produtora iniciou o projeto da construção do barco Oceanus, um troller com 60 pés de comprimento (cerca de 20 metros), capacidade para 10 pessoas e autonomia de 2,2 mil milhas náuticas (aproximadamente 4 mil quilômetros). O investimento no desenvolvimento e equipagem da embarcação não foi revelado. "Não conseguiríamos adaptar nossos equipamentos em embarcações de terceiro."
De acordo com Fernanda Rodrigues, a infra-estrutura do barco está voltada para realização de expedições de cunho cinematográfico em ambiente aquático (em água salgada e doce), como documentários, captação de imagens para publicidade e reportagens. O Oceanus possui câmeras fotográficas e de vídeo, sistema de iluminação subaquática e ilha de edição, além de equipamentos para mergulho técnico, scooters (veículos de locomoção subaquática para exploração de áreas extensas), geradores de energia, dessalinizadores (para tratar a água que é consumida no barco), sistema de satélite para localização, transmissão de dados, telefonia e localização de tripulações naufragadas e aparelho de tratamento de esgoto.
Também é possível adaptar o barco para expedições de cunho científico e fornecer suporte logístico para produções estrangeiras. O próximo projeto da Natureza & Imagem é o documentário "Do Alto da Serra ao Alto Mar". A equipe sairá do Pátio do Colégio, no centro antigo da cidade de São Paulo e percorrerá (a pé e em caiaques) o Parque Estadual da Serra do Mar. A expedição termina no Parque Marinho da Laje de Santos, localizado a 45 quilômetros da costa. "Estamos aguardando a aprovação do projeto pela lei do Audiovisual para iniciar o trabalho", diz Fernanda.

GM, 16-18/01/2004, p. 7

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.