VOLTAR

Equipe da Educação visita escolas indígenas

Jornal Pequeno-MA
12 de abr de 2007

Uma maratona de visitas às escolas indígenas do Maranhão começou a ser feita esta semana por uma comissão técnica da Supervisão de Educação Indígena (Supeind), da Secretaria de Educação (Seduc). O objetivo é fazer um diagnóstico das principais necessidades das escolas e de outras seis que se encontram em fase de construção. Quatro aldeias receberão a visita da equipe coordenada pelo supervisor da Supeind, Rogério Pinto.

Com a visita, a Seduc identificará a demanda de professores do magistério indígena que ainda não possuem curso superior. Para preencher esta lacuna, a Seduc firmou parceria com Universidade Estadual do Maranhão (Uema) para ofertar licenciatura superior para professores desta modalidade de ensino. Outros assuntos como transporte escolar e o reconhecimento das escolas indígenas também serão discutidos nas reuniões com as comunidades visitadas.

Até a próxima terça-feira, 17, a equipe vai percorrer as aldeias Juçaral (Tentehar/Guajajara) e Rubiácea (Pukobyê/Gavião), no município de Amarante; e ainda as aldeias de Escalvado (Ramkokamekrá/Canela) e Porquinhos (Apanieká/Canela).

Números - De acordo com dados do Censo Escolar 2006, a rede estadual de ensino conta atualmente com 236 escolas indígenas, localizadas em 234 aldeias de 18 municípios. Ao todo, 577 professores (253 indígenas e 224 não-indígenas) lecionam para 11.372 alunos em todo estado.

Escolas - A superintendência de Rede Física Escolar da Seduc executa as obras de construção de seis escolas destinadas à melhoria da qualidade de educação escolar indígena, algumas das quais em fase de conclusão. As escolas contarão com três e duas salas de aula, banheiros, pátio coberto, cantina-cozinha e outras dependências.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.