VOLTAR

Em defesa dos Yanomami

O Estado de São Paulo (São Paulo- SP)
31 de dez de 1975

O general Ismarth Araújo, presidente da Funai, foi a missão que atende aos Yanomami e não gostou de ver "índios despidos", "pouco produtivos" e sem falar português. A presença de doentes também o chocou, segundo os missionários e o Padre da missão Catrimani, o atendimento de enfermos quadruplicou desde a chegada dos trabalhadores para a construção da perimetral. A notícia apresenta um mapa simples do estado de Roraima com a localização da perimetral Norte e a presença Yanomami. Também há uma argumentação de defesa exposta pela fotógrafa Claudia Andujar em oposição a matéria publicada pelo Estado de São Paulo "Funai pode punir missão religiosa".

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.