VOLTAR

Dois investigados na Operação Terra Protegida em RO continuam foragidos

G1 - https://g1.globo.com
19 de set de 2019

Uma das prisões que está em aberto deveria ter sido feita em Campo Novo de Rondônia. Nomes dos investigados não foram divulgados pela Polícia Federal.

Dois investigados na Operação Terra Protegida continuam foragidos. A ação foi deflagrada pela Polícia Federal (PF) na última terça-feira (17) com objetivo de combater a grilagem e desmatamento dentro do Parque Nacional do Pacaás Novos e na Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau, na região de Nova Mamoré (RO), fronteira do Brasil com a Bolívia.

Ao todo foram expedidos quatro mandados de prisão preventiva, mas somente duas prisões foram efetuadas, em Buritis (RO).

Segundo a PF, uma das prisões que está em aberto deveria ter sido feita em Campo Novo de Rondônia.

Também foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão e oito de sequestro e indisponibilidade de bens.

Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Guajará-Mirim. Os nomes dos envolvidos na organização criminosa não foram divulgados pela Polícia Federal.

Investigações

A apuração policial descobriu a existência de uma organização criminosa formada por grileiros, advogados e topógrafos, especializados em invadir, desmatar e queimar a floresta nativa no interior do Parque Nacional do Pacaás Novos e Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau.

Segundo a PF, "por meio de um discurso falso de regularização fundiária e a criação de associação de produtores rurais, os líderes do grupo recrutaram pessoas para invadir e demarcar lotes no interior das reservas. Em seguida, os investigados desmataram e queimaram grande parte da vegetação nativa na localidade onde seria instalada uma vila".

Durante a investigação, o grupo ameaçou servidores dos órgãos de fiscalização, como o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), e agentes públicos de segurança.

https://g1.globo.com/ro/rondonia/noticia/2019/09/19/dois-investigados-n…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.