VOLTAR

Dois índios são os primeiros eleitos do PSTU

Jornal do Comercio-Recife-PE
Autor: ANSELMO MONTEIRO
07 de out de 2004

Partido sai das eleições municipais com seus dois primeiros vereadores no
Estado: os índios Jatuxé Atikun e Sevi Veronei, eleitos em Carnaubeira da Penha

Dez anos após sua fundação, o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) finalmente conseguiu eleger seus dois primeiros vereadores em Pernambuco. O feito ocorreu no município de Carnaubeira da Penha, Sertão Central, distante 498 quilômetros do Recife. Os pioneiros são dois
índios: José Francisco da Silva, ou Jatuxé Atikun (nome indígena), também conhecido como Zé Crente, líder da etnia Atikun e morador da Aldeia Olho d'Água do Padre, que recebeu 241 votos, e Sevi Veronei, da etnia Pankará, que mora na Aldeia da Serra do Arapuáque e foi eleito com 170 votos.

Apesar da proeza de terem se tornado os primeiros vereadores eleitos pelo PSTU pernambucano, o presidente regional da legenda, Joaquim Magalhães, prefere, por enquanto, não fazer festa. Prefere esperar para, primeiro, conversar com José Francisco e Sevi Veronei, ainda esta semana, no Recife. Magalhães admitiu constrangido que, na aliança fechada em Carnaubeira da Penha, o PSTU esteve aliado do PT, fato que, segundo ele, precisa ser muito bem explicado à executiva estadual.

"Nosso partido não pode apoiar o Governo Lula. O PSTU é oposição. Vamos conversar. Fomos pegos de surpresa, mas vamos conversar", reforçou Magalhães, ressaltando que, mesmo não havendo no estatuto do partido nenhum veto à aliança com os petistas, no atual cenário "não se concebe aproximação com o PT".

Alerta dado, Joaquim Magalhães não se eximiu de valorizar o feito. "Politicamente é um fato importante. Além do mais, eles se elegeram com os votos das aldeias. Não entraram nos 'esquemas', não distribuíram porcarias em troca de votos", frisou. Para o presidente do PSTU, a conquista em Carnaubeira da Penha é um "marco na luta daquele povo e do partido". "Eles são os donos da terra. Espero que, como vereadores, aproveitem para reconquistar suas origens".

Dentre as propostas de campanha dos dois novos vereadores, segundo Joaquim Magalhães, está a luta pela demarcação das terras indígenas (são mais de 50 mil hectares onde vivem muitos posseiros e é permanente o risco de conflitos). Também defenderão o direito a crédito agrícola e um programa de educação especial que valorize a cultura nativa. Tudo isso sem esquecer o combate à fome, problema crônico do semi-árido que atinge particularmente os indígenas.

As etnias Atikun e Pankará estão distribuídas em trinta aldeias. Os índios convivem também com grupos remanescentes de quilombos na região.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.