VOLTAR

Dnit investe R$ 28 milhões em rodovia que liga MT a Rondônia

Olhar Direto - http://www.olhardireto.com.br/
Autor: Alexandre Alves
19 de mar de 2011

A BR-174, ligando Juína (734 km de Cuiabá) até a divisa com o Estado de Rondônia, trecho de 174 quilômetros, será recuperada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), com investimento de R$ 28 milhões.

A licitação está em andamento e a abertura dos envelopes será na próxima segunda-feira (21), às 9h na sede da Superintendência Regional do Dnit em Mato Grosso. A proposta selecionada será a de menor preço e 28 empreiteiras estão na disputa.

A rodovia ainda é de chão e "corta" a Estação Ecológica Nacional de Ique, que engloba aldeias indígenas Enawenê-Nawê, e margeia o Parque indígena do Aripuanã. O prazo de conclusão da obra será de dois anos a partir da ordem de início do serviço.

Os moradores da região reclamam das condições da estrada, que constantemente está cheia de buracos. Os atoleiros e a erosão já tomam conta de grande parte do trecho. É por ela que trafegam dezenas de caminhões transportando a produção do Noroeste mato-grossense para o escoamento pela Hidrovia Madeira-Amazonas.

A rodovia federal Também é rota para o transporte de combustível de uma base da Petrobrás existente em Porto Velho (RO) diretamente para a região que forma o "Entorno de Juína", onde se situam municípios como Juruena, Aripuanã, Colniza, Castanheira e Cotriguaçu.

A BR-174 foi implantada na década de 70, com a denominação de Rodovia AR-1, ligando Vilhena a Aripuanã, em uma região que, à época, era habitada por povos das nações Cintalarga, Rikbatsa e Enawenê-Nawê. Foi, também, o início de um projeto de colonização, realizado pela extinta Companhia de Desenvolvimento de Mato Grosso (Codemat), em conjunto com a também extinta Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), que deu origem ao município de Juína.

http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?edt=25&id=165214

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.