VOLTAR

Diversidade linguística e Patrimônio Cultural são temas de Seminário em Belém

G1/PA - https://g1.globo.com/pa/para/noticia
22 de nov de 2018

Diversidade linguística e Patrimônio Cultural são temas de Seminário em Belém
O Seminário o Iphan é gratuito, com inscrições limitadas. Confira a programação.

Por G1 PA - Belém
22/11/2018 19h13 Atualizado há 3 dias

Estima-se que mais de 250 línguas sejam faladas no Brasil, entre indígenas, de imigração, de sinais, crioulas e afro-brasileiras. Toda essa pluralidade será tema do evento promovido em Belém, nos dias 28 e 29 de novembro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e pela Universidade Federal do Pará (UFPa). O Seminário é gratuito, porém possui inscrições limitadas. Confira a programação.

O Seminário Diversidade Linguística e Patrimônio Cultural tem como objetivo promover a reflexão e o diálogo sobre a diversidade linguística brasileira no âmbito do patrimônio cultural do Norte. A região, em especial a Amazônia Legal, guarda o maior tesouro linguístico do país, por concentrar a maioria das comunidades indígenas.

Só em Rondônia, segundo levantamento do Museu Paraense Emílio Goeldi, são pelo menos 23 línguas de 5 famílias linguísticas, além de línguas isoladas. Isso representa cerca de 14% do total das línguas indígenas faladas no Brasil. O estudo inédito realizado, que conta com a parceria do Iphan, é um dos temas do Seminário que também apresentará o projeto Diversidade Linguística na Terra Indígena Yanomami, executado pelo Instituto Socioambiental (ISA).

"Os Yanomami são um dos grupos étnicos mais relevantes para o patrimônio etnolinguístico no Brasil. Este projeto vem desenvolvendo uma série de estratégias e mecanismos de diálogo e produção de documentação que são muito benvindos enquanto um dos objetivos do Inventário Nacional da Diversidade Linguística, o INDL", informa o chefe da Divisão Técnica de Diversidade Linguística do Departamento do Patrimônio Imaterial (DPI/Iphan), Marcus Vinícius Garcia.

O diretor do DPI, Hermano Queiroz, explica que o INDL é o instrumento oficial de identificação, documentação, reconhecimento e valorização das línguas faladas pelos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira. Em 2018, outros dois projetos do Iphan serão finalizados, o Inventário do Hunrüsckisch como língua brasileira de imigração e o Inventário da Língua Brasileira de Sinais, ambos em execução pelo Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística (IPOL). "No Seminário, o público poderá conhecer sobre essas experiências que têm trazido contribuições para a Política e para as próprias comunidades linguísticas", conclui.

Outro destaque do evento será a plataforma Interativa da Diversidade Linguística do Brasil, projeto que está sendo desenvolvido por meio de uma parceria entre o Iphan e a Universidade Federal do Pará. O sistema de informação agregará funcionalidades como georreferenciamento multicamadas, banco de dados, entre outros mecanismos que promovam o acesso ao conhecimento sobre as línguas no país. A primeira fase do projeto, foco da apresentação, visa colocar em ambiente web e interativo os conteúdos do Mapa Etno-histórico do Brasil, de Curt Nimuendajú, cuja reedição revista e ampliada será lançada durante o seminário.

A programação contempla, ainda, exposições de representantes de comunidades linguísticas, além de instituições universitárias, do Museu do Índio, da Funai, e da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI/MEC), bem como do escritório da Unesco no Brasil. Entre os palestrantes, estão Joaquim Maná Kaxinawá, primeiro indígena brasileiro a conquistar o título de doutor em linguística, que relatará sua experiência na formação de professores na língua Hãtxa kui, falada pelo povo Huni Kui do Acre.

G1/PA, 22/11.

https://g1.globo.com/pa/para/noticia/2018/11/22/diversidade-linguistica…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.