VOLTAR

Dinheiro de indenização serve para recuperar floresta em SP

Tribuna de Imprensa-Rio de Janeiro-RJ
03 de nov de 2003

O dinheiro pago a título de indenização de crimes ambientais está servindo para recuperar parte de uma área de 180 hectares da Floresta Nacional (Flona) de Ipanema, em Iperó, na região de Sorocaba, queimada pelo incêndio que atingiu a reserva entre o dia 30 de setembro e a primeira semana de outubro deste ano. O plantio das mudas de espécies nativas foi iniciado ontem, depois das chuvas que atingiram a região, numa área de 30 hectares.

O serviço está sendo custeado pela empresa J.F. Empreendimentos Imobiliários, processada por haver desmatado um terreno de 8,5 quilômetros quadrados em área de preservação para construir um loteamento. A sentença, dada pelo juizado da 4ª Vara Cível de Sorocaba, obrigou a empresa a pagar os serviços de calagem, coveamento e plantio, bem como o combate a formigas, replantio e monitoramento da área.

As 9,5 mil mudas nativas e frutíferas previstas para o projeto foram produzidas no viveiro de espécies florestais da Flona. O projeto será concluído em maio do ano que vem. A área em recuperação foi utilizada como campo de ensaio para pastos de rebanhos bufalinos e bovinos, nos anos 70 e 80 e está infestada por capins de pastagens.

Essas espécies exóticas, vindas principalmente da África, competem agressivamente com as plantas nativas, dificultando a regeneração natural. O fato de não terem predadores naturais facilita a propagação.

A recuperação ambiental que está sendo iniciada vai fornecer refúgio e alimentos para os animais. A unidade de conservação administrada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) concentra 2,8 mil hectares de remanescentes de mata atlântica, sendo habitat para 52 espécies de mamíferos, 218 de aves, 18 de anfíbios, 15 de répteis e 35 de peixes, que representam 21,6% da fauna ocorrente no Estado de São Paulo.

Algumas espécies, como jaguatirica, gato mourisco, lobo guará, lontra, pavó e urubu rei, estão na lista de animais em extinção no Estado.
(-Tribuna de Imprensa-Rio de Janeiro-RJ-03/11/03)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.