VOLTAR

Desmatamento e uso de agrotóxicos fazem produção de mel cair quase 50% no Tocantins

G1 - http://g1.globo.com/
Autor: G1 Tocantins
21 de abr de 2019

Desmatamento e uso de agrotóxicos fazem produção de mel cair quase 50% no Tocantins
21/04/2019 10h26

Por G1 Tocantins

Estado chegou a produzir mais de 120 toneladas por ano, mas atualmente produz somente 70 toneladas. Desaparecimento das abelhas preocupa apicultores e meliponicultores.

Apicultores apostam na produção de mel de abelhas nativas sem ferrão

O Tocantins chegou a produzir mais de 120 toneladas de mel por ano, mas a produção caiu quase 50% em menos de uma década. A chuva intensa e desequilibrada, além do desmatamento que atinge o Tocantins são fatores importantes. Além disso, o uso de agrotóxicos na agricultura afeta a população e surgimento de novas abelhas.

Segundo a Federação Tocantinense de Apicultores, o estado produz 70 toneladas de mel anualmente. A abelha é responsável atualmente pela maior parte dos alimentos que chegam na mesa da população.

"Hoje as abelhas são responsáveis por 75% do que nós nos alimentamos, do que vêm a nossa mesa. Essa alimentação depende do serviço braçal das abelhas, que é ir e fazer a polinização e garantir o fruto, alimento, o sustento na nossa mesa", explicar o meliponicultor José Neuto.

O José Lustosa Dourado tem experiência como apicultor há 32 anos. Ele começou recentemente a apostar na produção de mel e mantêm o sustento através disso. O apiário dele fica em uma propriedade em Gurupi, no sul do estado.

O criador comenta que o desaparecimento do inseto tem diminuído a produção de mel. "Tem morrido muito enxame, tem colega que perdeu todos. Cada colheita lá era 800 quilos. Hoje está na média de 300 a 500 quilos se for bem manejada. Se for troca de cera. Se deixar para lá, não passa de 200. Tem que dedicar", comentou.

O biólogo Marco Marcolino, comenta o risco que o desaparecimento das abelhas traz para a natureza e o negócio de apicultores e meliponicultores do Tocantins.

"Existem colegas apicultores que vem perdendo todas as suas colônias. A abelha também participa da polinização de muitas espécies, tanto ornamentais ou frutíferas, ou mesmo nativas. E elas vem morrendo em todo o país devido ao uso intensivo de inseticidas e herbicidas nas lavouras. É um problema que vai ter um custo em breve e não muito longe desse momento", comentou.

Apesar dos problemas, José Neuto insiste na produção e se dedica às abelhas sem ferrão, espécies que vivem em harmonia com o ser humano. Uma delas é a abelha tocantinense 'marmelada'. O litro do mel produzido por ela pode custar R$100. O litro do mel da uruçu amarela pode ser vendido à R$200 e a da abelha jataí pode chegar a R$300.

https://g1.globo.com/to/tocantins/noticia/2019/04/21/desmatamento-e-uso…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.