VOLTAR

Decreto amplia em 150 mil hectares o total de áreas preservadas no Brasil

Agência Brasil
Autor: Luana Lourenço
21 de dez de 2007

Um decreto assinado hoje (21) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva cria três novas unidades de conservação e determina a ampliação de outras duas nos estados da Bahia e do Amazonas. De acordo com o diretor de Conservação da Biodiversidade do Instituto Chico Mendes, Rômulo Mello, a medida representa uma expansão de 150 mil hectares do total de áreas preservadas no país.

As novas unidades de conservação são os Refúgios de Vida Silvestre de Una e Rio dos Frades, na Bahia, e a reserva extrativista de Cassurubá, no mesmo estado.

A Estação Ecológica de Cuniã, no Amazonas, foi ampliada em cerca de 20 mil hectares e Reserva Biológica de Una (BA) ganhou mais 7.100 hectares.

"Os novos números representam um crescimento significativo e mostram que há um movimento concreto de ampliação das áreas protegidas no Brasil", disse Mello.

As unidades de conservação são divididas entre as de proteção integral, que não permitem a interferência humana nas áreas protegidas, e as de uso sustentável, em que o objetivo é compatibilizar a conservação da natureza e o manejo dos recursos naturais.

As UCs criadas hoje serão somadas a outras 294 já existentes no país, de acordo com dados do Instituto Chico Mendes. A área total preservada nessas unidades chega a 70 milhões de hectares.

Mello adiantou que em 2008 o instituto vai recomendar a criação de mais 40 novas unidades de conservação em todo o país. "É um processo que demanda muito tempo e trabalho, com levantamentos técnicos, avaliações bioecológicas, audiências públicas. É uma meta ambiciosa, mas queremos chegar a 40, com área total de cerca de 10 milhões de hectares".

As novas unidades deverão abranger áreas em todos os biomas brasileiros.

O presidente Lula também assinou hoje um decreto que prevê medidas de combate ao desmatamento na Amazônia.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.