VOLTAR

Curiaú, a vila de ex-escravos que sobrevive no Amapá

Jornal da Tarde (São Paulo - SP)
03 de out de 1999

Depois de quase 200 anos de isolamento, o refúgio de negros fugitivos transformou-se em Área de Proteção Ambiental e é cobiçado por especuladores e turistas, atraídos pela beleza e riqueza da região. Os seus 1.500 habitantes ainda mantêm antigas tradições, mas a nova geração dá sinais de ruptura com o passado.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.