VOLTAR

Corpo de índio pataxó que estava desaparecido há quase um ano é achado em cova rasa na Bahia; dupla confessa crime é presa

G1 - https://g1.globo.com
20 de ago de 2019

Caso aconteceu em Santa Cruz Cabrália, no sul do estado. Vítima tinha 23 anos e, segundo a polícia, crime tem relação com tráfico de drogas

O corpo de um índio pataxó de 23 anos foi encontrado por policiais em uma cova rasa, na cidade de Santa Cruz Cabrália, no sul da Bahia, dez meses após ele ter desaparecido. Conforme o delegado Bruno Barreto, que investiga o caso, dois indígenas confessaram o crime e foram presos.

A polícia chegou até o corpo de Fabrício Santos Silva, no sábado (17), após a dupla revelar o local onde a vítima estava. Segundo o delegado, a vítima estava na localidade conhecida como "Aldeia Faculdade".

Os familiares da vítima fizeram o reconhecimento do corpo na segunda-feira (19). Não há informações sobre o velório e o sepultamento da vítima.

De acordo com o delegado, o crime aconteceu no dia 20 de outubro. Fabrício Santos foi entregar fraldas para uma amiga e não voltou para casa.

O delegado Bruno Barreto informou que os irmãos Cariano Maia dos Santos, 19 anos, e Edicleudes Maia dos santos, de 26, fazem parte de um grupo que trafica drogas na região. Eles foram presos no dia 26 de julho, após uma troca de tiros contra policiais, na cidade de Itororó, e confessaram o crime.

Ainda conforme o delegado Bruno Barreto, Cariano e Edicleudes também são investigados por latrocínios e homicídios

Segundo o delegado, a vítima também tinha envolvimento com o tráfico de drogas e participava de um grupo rival da dupla presa. As investigações apontam que, pelo menos, seis pessoas participaram do crime. Os demais suspeitos ainda são investigados pela polícia.

O caso segue em apuração na delegacia de Santa Cruz Cabrália

https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2019/08/20/corpo-de-indio-pataxo-…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.