VOLTAR

Conheça alguns recantos pouco visitados do Parque Nacional da Tijuca

O Globo, Rio, p. 28
01 de mar de 2020

Conheça alguns recantos pouco visitados do Parque Nacional da Tijuca

O Circuito das Grutas, por exemplo, entrou para o roteiro da guia de turismo Alessandra Alli. Segundo ela, o passeio é muito procurado por estrangeiros

Giselle Ouchana
01/03/2020 - 04:30

RIO - Quatro pontos turísticos dão ao Parque Nacional da Tijuca o título de o mais visitado do país. Só no ano passado, quase três milhões de pessoas estiveram no Corcovado, na Vista Chinesa, no Setor Floresta e na Pedra Bonita. A grande maioria, porém, deixou para trás recantos tão belos quanto os cartões-postais mais retratados. Mal sabiam dos cenários com que poderiam se deparar.

Próximo ao Centro de Visitantes Paineiras, no Alto da Boa Vista, está um dos acessos para a trilha do Rio Carioca. A poucos metros dali, um desvio leva ao Mirante da Guanabara. O nome não deixa dúvidas: o ponto proporciona uma ampla vista da Baía de Guanabara emoldurada pela Serra dos Órgãos. Em dias sem nuvens, é possível vislumbrar o Dedo de Deus.

Gruta dos Morcegos
Daquele mesmo ponto, descortina-se uma visão privilegiada de toda a Ponte Rio-Niterói, além da Região Central do Rio e de parte da Zona Norte. No primeiro plano, estão os bairros de Santa Teresa e Rio Comprido. Quem chega ao mirante também consegue localizar o Aeroporto Santos Dumont, a Catedral Metropolitana, o relógio da Central do Brasil, os morros dos Prazeres e da Providência, o Museu do Amanhã e a roda-gigante Rio Star.

Pouco explorado, o Circuito das Grutas reserva oito "esconderijos", cujo trajeto completo, a partir do restaurante A Floresta - sem pausas -, pode ser percorrido em 30 minutos. No meio do caminho, está a Gruta dos Morcegos, com 22 metros de altura e mais de cem metros de profundidade. No teto, uma estreita abertura permite um visual mágico dependendo da posição do sol. Normalmente, pela manhã, raios solares criam um feixe de luz considerado incrível, possibilitando belas fotografias.

Por fora, porém, é impossível imaginar seu porte. O acesso muito estreito só permite a entrada de uma pessoa por vez, e agachada. Uma colônia numerosa de morcegos vive no interior da gruta. Mas, para quem tem medo dos rasantes dos mamíferos, a dica é não acender lanternas fortes apontadas para o fundo da caverna.

O Circuito das Grutas entrou para o roteiro da guia de turismo Alessandra Alli, que, na semana passada, conduziu um islandês e uma ucraniana pelos mistérios da região. A profissional conta que o roteiro de grutas e cachoeiras, idealizado por ela, é o terceiro mais procurado por turistas, especialmente os estrangeiros.

- Percebo que o parque tem sido mais frequentado, mas o Circuito das Grutas ainda é um local de muito pouco fluxo. No meu ranking, no entanto, esse trecho só perde para a Pedra do Telégrafo, em Guaratiba, e para a Cachoeira das Almas, no Setor Floresta do Parque da Tijuca.

Uma boa opção para se refrescar em água límpidas é a Cascata da Baronesa, a poucos minutos da Gruta dos Morcegos, que fica sob a Ponte Baronesa, na Estrada Major Acher, perto do Recanto Paulo e Virgínia. Para acessá-la, basta descer 34 degraus criados após trabalho de manejo das equipes do Parque Nacional da Tijuca, no lado esquerdo da pista.

Brigadista do Parque, Ricardo Cigarrete acredita no potencial atrativo desses pontos ainda não descobertos por muitos amantes de trilhas:

- O fluxo por aqui ainda é muito pequeno, talvez porque as pessoas desconheçam sua história, o visual que cada local proporciona e, muito importante, a sinalização bastante adequada.

Engenho e Pedra da Proa
Inaugurada em novembro passado, a Cascata do Engenho é mais um recanto na lista de imperdíveis. O local, aberto após mutirão realizado com apoio de voluntários do parque, pode ser alcançado a partir da trilha que se inicia atrás do Solar da Imperatriz, no Jardim Botânico. Após a primeira bifurcação, os aventureiros precisam passar sob um tronco atravessado na vereda. Uma caminhada de 30 a 40 minutos ao longo de 1,4 quilômetro de trilha leva à encantadora cascata e ao Poço Temiminó.

- No ano passado, planejamos a desobstrução da área e a melhoria de acesso à cascata. Realizamos dois mutirões e melhoramos as áreas de banho, com contenção para formar um novo poço - explicou Eliana Franzen, voluntária que participou do trabalho.

Quem curte vistas panorâmicas vai gostar também da Pedra da Proa. Há quase um ano, o ponto começou a ganhar certa popularidade nas redes sociais. De 633 metros de altitude, é possível apreciar a Lagoa Rodrigo de Freitas, as praias da Zona Sul, o Morro Dois Irmãos, o Corcovado e o Pão de Açúcar.

O acesso pode ser feito por dois caminhos. O mais longo (cinco quilômetros) é de intensidade moderada e tem início na Rua Amado Nervo, no Alto da Boa Vista. O trecho mais curto (um quilômetro) pode ser feito a partir da Mesa do Imperador, e tem uma subida sinuosa, porém leve e bem sinalizada. Para chegar ao topo da pedra é preciso encarar uma miniescalada.

- Não é nada assustador. A subida é bem simples, uns três a quatro metros e tem grampos (ancoragens fixas na rocha para escalar) para subir e ter mais segurança- tranquiliza o guia Rodrigo Farias.

O Globo, 01/03/2020, Rio, p. 28

https://oglobo.globo.com/rio/2272-conheca-alguns-recantos-pouco-visitad…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.