VOLTAR

Comunidades indígenas recebem insumos para melancia

Folha de Boa Vista
11 de set de 2007

Agricultores de sete comunidades indígenas recebem da Prefeitura de Boa Vista nos dias 12 e 13 insumos, defensivos e sementes para a produção de melancia. Os agricultores fazem parte do Projeto Pati A, que inicia nova fase após o fim das chuvas.

Na quarta-feira (12) as equipes da Secretaria Municipal de Gestão Ambiental e Assuntos Indígenas (SMGA) estarão nas comunidades Serra da Moça, Truaru e Morcego. No dia 13 será vez dos agricultores de Lago Grande, Ilha, Milho e Vista Alegre receberem os insumos.

Os produtores também ganharão óleo diesel para o funcionamento de motobombas e terão assistência técnica permanente oferecida pelos técnicos agrícolas da Secretaria. Eliander Trajano, gestor de Assuntos Indígenas da Secretaria, explica que as outras oito comunidades receberão os insumos nas próximas semanas.

O projeto Pati Á foi criado pata incentivar a produção de melancias nas comunidades indígenas. O Projeto é mais uma iniciativa da Prefeitura de Boa Vista para gerar renda e autosustentabilidade em 15 comunidades indígenas de Boa Vista.

Para este novo ciclo serão cultivados 2.500 pés da fruta, o dobro do que foi plantado na última safra. A meta neste semestre é aumentar o lucro dos agricultores. Desde quando foi criado, em setembro de 2005, o Projeto Pati Á já proporcionou às localidades uma renda de mais de R$ 93 mil e a colheita de mais de 140 mil frutos.

A última colheita do projeto este ano foi na comunidade Darôra, em maio. Foram colhidas cerca de quatro toneladas da fruta, recorde de produção do local, de nove mil pés. As frutas foram comercializadas em Manaus e o excedente vendido no mercado local. Outras comunidades também realizaram exportações de melancia este ano. Bom Jesus, há 102 quilômetros de Boa Vista, abasteceu o mercado de fronteira nas cidades de Pacaraima e Santa Elena durante o carnaval fora de época, o MercoFolia.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.