VOLTAR

Comunidade pitaguary vai ganhar escola indígena

O POVO
28 de dez de 2007

A secretária estadual da Educação, Izolda Cela, assinou ordem de serviço para a construção de uma escola na comunidade pitaguary de Maracanaú. A previsão é que, até maio, as obras sejam concluídas e a escola esteja funcionando Para a professora da comunidade indígena pitaguary, Rosenilda Alexandre, 32, a notícia não poderia ser mais maravilhosa. A secretária estadual da Educação, Izolda Cela, esteve ontem na comunidade assinando a ordem de serviço para a construção da Escola Indígena Chuí, que receberá os mais de 400 alunos da região. A previsão é que as aulas sejam iniciadas até maio, num espaço que contempla o ensino convencional e o diferenciado, privilegiando a cultura e a tradição indígenas. "A notícia veio como um presente de Natal mesmo", comemorava Rosenilda. De acordo com o presidente do Conselho Comunitário Indígena Pitaguary de Maracanaú (Coipy), Jeová Ferreira, o povo inteiro lutou por essa conquista. O prédio onde as aulas são realizadas hoje é uma antigo criadouro de ovinos e caprinos adaptado.

Segundo ele, alunos e professores ainda enfrentam a precariedade e a falta de conforto e de espaço físico. A professora Rosenilda destaca a época em que os 400 alunos ficavam todos misturados num mesmo galpão. Só recentemente as salas passaram a ser separadas por tábuas. A obra da Escola Indígena Chuí está orçada em R$ 429.993,28. Essa é a apenas uma, entre nove escolas indígenas do projeto Escola do Novo Milênio, que recebe recursos do Banco Mundial.

Quatro já foram construídas e entregues às comunidades. A ordem de serviço para a construção das demais será dada até sexta-feira da semana que vem, garante a secretária. A comunidade comemorou a conquista dançando o toré. Crianças, jovens, adultos e até a secretária Izolda Cela e outras autoridades presentes também participaram da dança. "Construir a escola é muito importante. Muitas das comunidades indígenas estão em condições absolutamente precárias, no que diz respeito à educação. (...) Temos muita satisfação, porque a dívida (com os indígenas) é muito grande", afirmou Izolda, durante a solenidade, destacando que as salas de aula geralmente são arranjadas e improvisadas. Cada escola terá a estrutura de acordo com as reivindicações das comunidades, incluindo mobília e computadores. A idéia, diz Izolda, é que as obras sejam bem rápidas. O projeto arquitetônico da cada escola do projeto Escola do Novo Milênio foi idealizado pela Fundação Nacional do Índio (Funai) juntamente com as etnias. Segundo ela, existe ainda a perspectiva de em 2008 abrir licitação para a construção de mais três escolas indígenas. "Mas nós vamos cobrar também. Temos que ter resultado. Os alunos necessitam aprender para que a escola faça diferença na vida deles", afirmou, enfatizando a inclusão de todos e a qualidade de ensino. Conforme o secretário da educação de Maracanaú, Marcelo Farias, essa escola é muito bem-vinda. "Vai melhorar o padrão físico dos prédios no município, se refletindo numa melhor educação ofertada", disse. Farias acrescenta que o Município cede o espaço e oferece apoio administrativo.

E-mais

Nove escolas indígenas compõem o projeto Escola do Novo Milênio. Todas elas são escolas diferenciadas de Ensino Fundamental e Médio. Quatro delas já foram entregues: Índios tapebas, na Caucaia; Maria Venâncio, em Itarema; Manoel Francisco dos Santos, em Aratuba; Jardim das Oliveiras, em Poranga. A ordem de serviço das outras cinco escolas começou a ser dada ontem, em Maracanaú. A ordem de serviço das demais deve ser dada até sexta-feira da semana que vem. Faltam ser construídas e inauguradas: Escola Indígena Chuí, em Maracanaú; Povo Caceteiro, em Monsenhor Tabosa; Raízes Indígenas, em Crateús; Jenipapo Kanindé, em Aquiraz; e Itaara, em Pacatuba. Cada umas dessas escolas conta com quatro salas de aula, diretoria, secretaria, sala de leitura, de informática e de professores, copa, cozinha, banheiros feminino e masculino, despensa, espaço para recreação, refeitório e atividades culturais, além de um palco de eventos.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.