VOLTAR

Código impedirá País de cumprir Acordo de Copenhague, diz Ipea

OESP, Vida, p. A19
09 de jun de 2011

Código impedirá País de cumprir Acordo de Copenhague, diz Ipea

Eugênia Lopes / Brasília

Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) revela que o Brasil terá dificuldade de cumprir compromissos de redução de emissão de carbono, previsto no Acordo de Copenhague, caso o texto do novo Código Florestal não seja alterado no Senado. Segundo o Ipea, mais de 3 bilhões de toneladas de carbono deixarão de ser retidas. Além disso, 29,6 milhões de hectares de reserva legal não seriam recuperados com o novo Código.
O projeto aprovado pela Câmara em maio anistia multas por desmatamento ilegal e dispensa proprietários de reflorestar áreas degradadas. Na avaliação dos técnicos do Ipea, a proposta em tramitação é "um retrocesso". "Se for para aprovar do jeito que está no Senado, melhor ficar com a lei atual", disse Fábio Alves, um dos responsáveis pelo estudo. "Se aprovado como está, esse projeto traz mais dificuldades de cumprir compromissos internacionais", reforçou Ana Paula Moreira, técnica de Planejamento e Pesquisa do Ipea.
Os técnicos preveem um atraso de oito anos no cumprimento de acordos internacionais de redução de emissão de carbono, caso seja mantido o atual texto do Código. "A quantidade de carbono que pode deixar de ser retida, caso os passivos da reserva legal hoje existentes nos imóveis de até 4 módulos fiscais seja anistiados, é de 3.154,5 milhões de toneladas de carbono equivalente". O Acordo de Copenhague prevê que o País reduza em 668 milhões de toneladas de gás carbônico anuais decorrentes do desmate na Amazônia e no Cerrado.

OESP, 09/06/2011, Vida, p. A19

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110609/not_imp729883,0.php

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.