VOLTAR

Casa do Índio é inaugurada hoje

Folha de Boa Vista
22 de Out de 2007

O presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Danilo Forte, inaugura hoje a reforma e ampliação da Casa do Índio de Roraima (Casai/RR), às 9h. Esta é a primeira vez que Forte vem a Roraima.

Segundo o coordenador da Funasa, Ramiro Teixeira, serão inaugurados o Centro de Nutrição e Dietética, Lavanderia Industrial Hospitalar, sete enfermarias de redes (seguindo a cultura das comunidades indígenas), uma enfermaria especial para acamados, uma enfermaria de emergência e uma enfermaria pediátrica, totalizando uma oferta de 350 leitos.

As novas instalações atenderão às várias etnias de Roraima, do Amazonas e das fronteiras da Guiana e da Venezuela, tais como: Macuxi, Sanauna, Xiriana, Xirixana, Wai-Wai, Sapará, Taurepang, Wapixana, Ingaricó, Maiogong, Patamona e Yanomami.

Ramiro Teixeira informou que uma grande manifestação cultural indígena foi preparada para recepcionar o presidente e marcar a festa de inauguração da ampliação e melhoramento no atendimento à saúde indígena. Haverá apresentação da dança do Parixara, cerimônia da purificação e pajelanças, além de apresentações de grupos de forró formados pelos indígenas das comunidades atendidas pela Funasa.

"Toda essa programação festiva está sendo organizada pelos próprios líderes das comunidades indígenas e de acordo com a crença e ritual de cada etnia", disse Teixeira.

O coordenador afirmou que com as novas instalações a Casai de Roraima se torna referência no atendimento à saúde dos povos indígenas no Brasil. Ele lembrou que em visita à Casai no início deste mês, a coordenadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, não poupou elogios à Casai e disse que era a melhor e mais moderna unidade de saúde do Brasil para a prestação e atendimento à saúde dos povos indígenas.

As novas instalações e a aquisição de equipamentos modernos foram resultados de uma parceria da Funasa com o Vigisus que custou cerca R$ 3 milhões.

Unidade hospitalar funciona há trinta anos

A Casa de Saúde do Índio de Roraima (Casai/RR) foi criada em 1976, como unidade de prestação de serviços aos indígenas que eram encaminhados das aldeias, sob a responsabilidade de Funai (Fundação Nacional do Índio).

Só em 1999 é que a Casai foi legalmente passada à Funasa, através do decreto no 3.159/99. Durante o processo de transição, foram muitas dificuldades, mas hoje a Casai é uma referência para o Brasil em atendimento e prestação de saúde dos povos indígenas.

Dados estatísticos da Casai apontam que são atendidos, por mês, em média 350 indígenas tanto do Estado de Roraima, quanto do Amazonas e das fronteiras da Guiana e da Venezuela.

Distribuída em uma área construída de 4.820 metros quadrados, atualmente a Casai é considerada referência nacional no atendimento à saúde da população indígena e conta hoje com ambulatório, laboratório de análises clínicas, centro de atendimento à saúde da mulher, centro de atendimento à saúde bucal, centro de terapia ocupacional e educação em saúde, e enfermarias simples e uma enfermaria especial de isolamento.

Além de possuir uma gestão administrativa voltada para satisfação de usuários, a Casai possui um quadro de 183 profissionais distribuídos em quatro plantões distintos, prestando serviço médico nas especialidades de clínica geral, cirurgia geral, cardiologia, dermatologia, endocrinologia, gastroenterologia, ginecologia, patologia clínica, pediatria e pneumologia.

Além disso, o serviço de enfermagem tem assistência 24 horas. O local tem laboratório e oferece serviço de atenção à saúde bucal; nutrição e dietética; serviço de assistência social; atendimento farmacêutico; serviço de educação em saúde e terapia ocupacional e serviço de apoio nas unidades de saúde do SUS.

Conta ainda com os programas de vigilância epidemiológica, imunização, pré-natal e outros exames específicos. Além de um projeto de horta comunitária em ambiente hospitalar, em parceira com a Universidade Federal de Roraima (UFRR).

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.