VOLTAR

Cáceres é rota de contrabando de mogno, afirma Ibama

Midianews - www.midianews.com.br
01 de nov de 2001

Além do intenso contrabando de drogas, Cáceres, a 220 quilômetros de Cuiabá, ganha mais um título nada honrável: é rota para o contrabando de toras de mogno que sai dos Estados do Amazonas e Pará com destino à região Sudeste.

"No início achávamos que todo o mogno saísse por Belém, mas depois identificamos outros portos intermediários, em Itacoatiara, Óbtos e Cachimbo, e chegamos até Cárceres, em Mato Grosso, e Paranaguá, no Paraná. Suspeitamos que a rede que financia a exploração do mogno tenha conexões, que estão sendo investigadas, no Rio de Janeiro e no Paraná", disse à Agência Estado o presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Segundo a agência, a "Operação Mogno", iniciada no final da semana passada pelo Ibama, apreendeu até o momento 30 mil metros cúbicos de mogno em toras, a maior parte dele na Terra do Meio, região entre os rios Carajai e Iriri, no Pará. Para o Ibama, esta é a maior operação do gênero já desencadeada pelo órgão e está mobilizando 118 pessoas entre funcionários do Ibama, policiais do Batalhão de Polícia Ambiental do Pará e militantes do Greenpeace.

De acordo com informações da Agência Estado, a operação conta com três helicópteros, oito lanchas e 22 automóveis do Ibama, além de dois aviões e um navio do Greenpeace, que serve de base em Santarém. O objetivo é fiscalizar os treze planos de manejo de mogno remanescentes no Pará, as serrarias da região, além de fazer sobrevôos e visitas de campo a locais onde há extração ilegal de mogno.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.