VOLTAR

Briga em maloca deixa indígena ferido com tiro

Folha de Boa Vista-Boa Vista-RR
03 de jul de 2002

Uma discussão envolvendo funcionários da Funai (Fundação Nacional do Índio) teria terminado em tiros no domingo, na maloca do Truaru, na zona rural de Boa Vista, próximo ao Monte Cristo. Conforme informações não confirmadas pela administração do órgão indigenista, teriam saído feridos com tiros um funcionário e o índio Jamil da Silva.

O fato estava sendo mantido em sigilo, mas a notícia acabou chegando à Folha ontem. Até o momento nem a Polícia Civil, através do DPJI (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), estava sabendo do ocorrido.

Na Polícia Federal havia rumores do fato, mas até a tarde não tinha sido registrado oficialmente. Uma fonte informou que era esperado alguém da administração da Funai para comunicar o caso.

Por todo o dia de ontem a Folha tentou ouvir a administração da Funai, mas a informação repassada pela secretaria do órgão era de que o administrador Martinho Alves Júnior participava de uma reunião fora do prédio. Também, segundo a funcionária, mais ninguém era autorizado a falar em nome da instituição.

CONFIRMAÇÃO - Apesar do administrador não falar sobre o caso, a Folha acabou confirmando o fato através de um funcionário do Conselho Indígena de Roraima (CIR). Conforme a fonte, a entidade foi informada sobre o caso e na madrugada de domingo enviou uma ambulância para remover o índio baleado.

No entanto, ele não confirmou que outra pessoa tivesse ficado ferida no episódio. "Nós fomos até a maloca e resgatamos um índio que estava ferido por arma de fogo e não foi constatada outra pessoa ferida", informou a fonte que teve o nome preservado.

No Pronto Socorro consta que o índio Jamil da Silva deu entrada na manhã de domingo ferido com um tiro no braço. Depois de ter o ferimento passado por uma limpeza, o indígena foi transferido para o bloco C do HGR onde aguarda uma cirurgia.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.