VOLTAR

Brasileiro sabe do risco da falta d'água

OESP, Vida, p. A15
11 de mar de 2005

Brasileiro sabe do risco da falta d'água
Maioria tem consciência do problema, mostra pesquisa do Ibope feita para ONG

Gilse Guedes

Pesquisa feita pelo Ibope revelou que 88% dos brasileiros têm consciência de que o País enfrentará o drama da escassez de água a médio e longo prazos por causa do desperdício e da falta de ações eficazes para a área. O levantamento, divulgado ontem, foi encomendado pela WWF-Brasil para subsidiar o Programa Água para a Vida, lançado pela ONG para esclarecer a população e as autoridades sobre a importância de uma gestão dos recursos hídricos.
A pesquisa traz também informações sobre o hábito dos brasileiros na hora de consumir água e serve de alerta para as autoridades. De um total de mil entrevistados, só 10% ainda não acreditam que o Brasil terá problemas no setor.
O levantamento mostra que a maioria está disposta a colaborar, mas tem hábitos que causam desperdício. Segundo o estudo, 65% acreditam que o consumo poderia ser menor. Há uma fatia de 34% da população, porém, que considera que a utilização da água está próxima do ideal.
A pesquisa revela que 44% apontam o desperdício como o principal fator para o agravamento da falta d'água, 13% vêem na poluição das reservas de água a causa da escassez e 10% consideram que o consumo exagerado é o vilão.
Sobre os hábitos da população, o Ibope mostrou que 43% dos brasileiros ficam 5 minutos sob o chuveiro, 39% de 6 a 10 minutos, 11% de 11 a 15 minutos e 5% mais de 15. Para combater o desperdício, 50% sugerem fechar as torneiras na hora de escovar os dentes, tomar banho e fazer a barba. Do total, 87% dizem fechá-las quando escovam os dentes. "Isso mostra que o brasileiro sabe que é errado fazer algumas coisas ou tem vergonha de dizer que desperdiça água", disse o coordenador do Programa Água para a Vida, Samuel Barrêto.
Os entrevistados falaram sobre o pagamento de uma contribuição para o consumo de água: 46% estão dispostos a pagar uma pequena quantia de dinheiro, além da conta mensal, para garantir água de melhor qualidade. Segundo o dirigente da ONG, outro dado chamou a atenção: "A maioria da população disposta a colaborar é do segmento mais pobre."

OESP, 11/03/2005, Vida, p. A15

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.