VOLTAR

Brasil amplia exportacao de organicos

GM, Agribusiness, p.B12
18 de Fev de 2004

Brasil amplia exportação de orgânicos
Brasília, 18 de Fevereiro de 2004 - O Brasil foi o país escolhido para ser tema da Feira Internacional de Negócio com Produtos Orgânicos (Biofach) de 2005, evento que anualmente é realizado em Nuremberg, Alemanha. Hoje, o presidente da Agência de Promoção de Exportações do Brasil (Apex Brasil), Juan Quirós, assina acordo que estabelece as condições da participação do Brasil, que ocupará posição de destaque na mais representativa feira mundial de produtos orgânicos. Com a assinatura do acordo, em Nuremberg, o País ampliará sua visibilidade no mercado europeu consumidor de orgânicos. Em 2005, as empresas e produtores brasileiros ocuparão uma área extra em lugar privilegiado na Biofach e a marca institucional do Brasil será estampada em todas as instalações da feira. "Reunimos todas as condições para nos tornarmos um player no mercado internacional de produtos orgânicos", disse Quirós em entrevista concedida à este jornal, de Paris, ao informar sobre detalhes do acordo. A edição da Biofach deste ano começa hoje e prolonga-se até domingo com a participação de 1.800 expositores, sendo 45 empresas brasileiras fornecedoras e processadores de produtos orgânicos. Segundo dados da Apex, o mercado internacional de orgânicos movimenta US$ 30 bilhões ao ano, sendo os Estados Unidos, Alemanha e Japão os maiores consumidores desses produtos com compras anuais de US$ 13 bilhões, US$ 9 bilhões e US$ 7 bilhões, respectivamente. Desse nicho crescente de negócios, o Brasil detém participação pequena e inferior ao seu potencial agrícola. Em 2003, as exportações brasileiras de orgânicos atingiram a pequena cifra de US$ 100 milhões, para este ano a Apex conta com incremento de 20% nos embarques. Segundo Quirós, desde 2003 algumas medidas vêm sendo adotadas para reverter, no médio prazo, a baixa participação do Brasil no atendimento ao consumo mundial de orgânicos. Nesse sentido, a primeira iniciativa foi organizar a cadeia da produção, caracterizada pela agricultura familiar instalada em minifúndios. "Em 2003, 3.300 famílias foram beneficiadas com projetos de exportações montados pela Apex." Um levantamento feito pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) mostrou que no Brasil há 7.100 produtores certificados ou em processo de certificação responsáveis por uma área de 270 mil hectares. A primeira conseqüência do início da organização da cadeia produtiva foi a venda de 8,8 mil toneladas de produtos orgânicos na Biofach de 2003 em negócios que renderam US$ 5,5 milhões em receitas. Para este ano, a meta é ampliar entre 10% a 15% a receita obtida com vendas a serem fechadas entre hoje e domingo. Além do mapeamento da agricultura orgânica, está em curso também um trabalho paralelo de conquista de mercados externos. Conforme Quirós, a partir de levantamentos que mostram demandas crescentes no Japão e na Alemanha, a Apex selecionou esses dois países como alvo de uma estratégia comercial. Na Alemanha, a abertura de mercado tem sido feita por meio da maior exposição dos produtos "made in Brazil" na feira de Nuremberg e também por meio da negociação com supermercadistas. No Japão, país que importa 80% dos alimentos que consome, dos quais 10% de orgânicos, está em curso projeto que detalha a demanda de consumo e o potencial de fornecimento, em volume de produção e preço, que os agricultores brasileiros podem oferecer. Luciana Otoni)
GM, 18/02/2004, Agribusiness, p.B12

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.