VOLTAR

Atrasada, Jirau gera 825 MW a menos

Valor Econômico, Empresas, p. B1
10 de abr de 2014

Atrasada, Jirau gera 825 MW a menos

Por André Borges
De Brasília

A escassez da geração hidrelétrica que afeta todo país poderia ser bem menor se a hidrelétrica de Jirau, em construção no rio Madeira, em Porto Velho (RO), estivesse entregando toda a energia que previa. O atraso nas operações da usina, no entanto, não pode ser mais facultado, exclusivamente, à série de problemas que Jirau enfrentou nos últimos anos, por conta de greves e atos de vandalismo que paralisaram seus canteiros de obra por mais de 500 dias, como alega o consórcio Energia Sustentável do Brasil (ESBR), dono da usina. Nos últimos meses, esse descompasso foi amplificado por dificuldades técnicas na montagem eletromecânica das turbinas. O resultado disso é um rombo bem maior que o imaginado na geração de energia do país.
Em setembro do ano passado, quando ligou a sua primeira turbina, Jirau desenhou um plano pelo qual chegaria a fevereiro deste ano com 17 máquinas ligadas. Esse número, vale destacar, já estava abaixo das 23 máquinas previstas pelo contrato da hidrelétrica. A realidade é que, hoje, Jirau tem apenas seis turbinas em operação, capazes de entregar um total de 450 megawatts (MW), enquanto a meta era lançar ao menos 1.275 MW no sistema elétrico. Na prática, isso significa um déficit de 825 MW que as distribuidoras estão comprando no mercado de livre de geração, a preços de ouro, dada o custo recorde com que essa energia tem sido negociada.
As dificuldades técnicas foram confirmadas pelo presidente do ESBR, Victor Paranhos. "Realmente houve atraso no cronograma. Apareceram problemas que não esperávamos em duas unidades. Foram problemas técnicos. Quando atrasa uma máquina, atrasa tudo o que vem depois. É um efeito cascata", disse ao Valor PRO, serviço em tempo real do Valor.
A instalação de uma turbina, que deveria ser de 120 dias, tem levado até 175 dias. Até o dia 30 deste mês, segundo Paranhos, Jirau deve acionar mais três máquinas. Com nove unidades em operação, a hidrelétrica terá condições de passar a escoar energia por meio do linhão do Madeira. A estrutura principal de transmissão está pronta, mas não foi usada pela hidrelétrica para despachar sua carga, o que tem sido feito por meio de uma malha de média tensão, que segue para Porto Velho (RO).
Correndo contra o relógio, Jirau tem 3,5 mil operários que trabalham na montagem eletromecânica das turbinas, em dois turnos. Simultaneamente, 34 unidades estão sendo instaladas nas duas barragens da hidrelétrica. Paranhos reconhece que o consórcio tem sofrido pressão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para colocar a usina em operação. "Eles sabem que estamos fazendo tudo o que podemos. Não tem como colocar mais gente para trabalhar na montagem, senão nós colocaríamos. Temos atuado no limite do que a engenharia permite fazer."
O projeto de Jirau prevê a instalação de 50 turbinas, com capacidade instalada de 3.750 MW. Até o fim deste ano, a promessa é ligar 28 máquinas. Quanto à conclusão plena da usina, ficou para meados de 2016. O prazo original era setembro de 2015. "Comissionar 50 máquinas está muito mais complexo do que a gente realmente esperava. Tem ocorrido problemas novos em máquinas novas, alguns envolvem fabricantes, outras são de montagem", disse Paranhos.
Apesar de admitir obstáculos operacionais, o executivo garante que a situação seria bem diferente se o empreendimento não tivesse enfrentado todas as paralisações do passado, fatores que, na conta do ESBR, geraram mais de 500 dias de atraso para a usina. "É muito fácil criticar o presente, sem olhar o passado. São eventos que fugiram ao nosso controle. Fazer obra no Brasil hoje é complicado e Jirau é o grande exemplo. Estamos fazendo o possível e o impossível. Se querem criticar, que olhem antes para o passado", disse o executivo.
O custo da usina, inicialmente previsto em R$ 9 bilhões, já ultrapassou R$ 17,4 bilhões. Há mais de um ano, o ESBR briga para receber quase R$ 1 bilhão de seguradoras, por conta de conflitos ocorridos em seus canteiros de obras.

Cheia no Madeira mantém Santo Antônio desligada

Por André Borges | De Brasília

As cheias recordes do rio Madeira, que deixaram milhares de pessoas desabrigadas em Porto Velho e região, expõem uma ironia da geração hidrelétrica. Enquanto nas regiões Sudeste e Centro-Oeste do país usinas movidas à água são obrigadas a desligar turbinas porque estão sem água, no Madeira a hidrelétrica de Santo Antônio foi forçada a desativar suas operações desde o dia 17 de fevereiro devido ao excesso de água no rio.
Por meio de nota, o consórcio Santo Antônio Energia, responsável pela usina, informou que a decisão foi determinada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). A usina foi obrigada a baixar o nível de seu reservatório "com o objetivo de evitar que as estruturas provisórias da hidrelétrica de Jirau - como as suas ensecadeiras - fossem afetadas, já que não foram dimensionadas para uma cheia histórica como a que está acontecendo".
A barragem de Jirau está instalada a cerca de 70 km acima de Santo Antônio. O rebaixamento de seu reservatório levou à falta de queda mínima de água na barragem, para permitir o funcionamento de suas turbinas. "Na prática, é necessário que haja uma diferença mínima entre o nível do rio acima da barragem e abaixo dela - o que não ocorre, neste momento, em função do citado rebaixamento do reservatório", alegou.
O consórcio informou que, mesmo com operação paralisada, a construção, montagem e testes das turbinas prosseguem. "Em novembro de 2016, quando estiver em pleno funcionamento, a hidrelétrica terá potência instalada de 3.566,40 megawatts, energia suficiente para abastecer mais de 44 milhões de pessoas."

Valor Econômico, 10/04/2014, Empresas, p. B1

http://www.valor.com.br/empresas/3511936/atrasada-jirau-gera-825-mw-men…

http://www.valor.com.br/empresas/3511938/cheia-no-madeira-mantem-santo-…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.