VOLTAR

A arte de Inhotim em processo de reflexão de seus próprios artistas

O Globo, Segundo Caderno, p. 5
11 de nov de 2018

A arte de Inhotim em processo de reflexão de seus próprios artistas
Série "Inhotim Arte Presente", que estreia terça (13) no canal Curta!, apresenta a obra de dez expositores do centro de artes

PAULA LACERDA
paula.lacerda@oglobo.com.br

Davi Kopenawale,xamã e líder político dos índios yanomami,estava triste. Ou pelo menos se dizia, para logo emendar com contraditória alegria e elogios rasgados à obra da fotógrafa Claudia Andujar, quando entrevistado por jornalistas em 2015. Acontecia, à época, a inauguração no Instituto Inhotim, em Minas Gerais, da galeria dedicada aos trabalhos da artista, nascida na Suíça e radicada no Brasil desde a década de 1950, que por 30 anos se dedicou a registrar avidada tribo indígena brasileira. A "tristeza" vinha dum choque entre culturas: para os yanomami, ter seu registro fotográfico é algo complicado. Quando alguém da tribo morre, todos os objetos relacionados à pessoa em questão são destruídos, incluindo as imagens, associadas a sua própria existência. Imagina lidar coma eternidade das fotos? Andujar conseguiu. Conciliou desejos e culturas. E tal proposta de questões que ultrapassam a arte em sua produção é uma das abordagens da nova série que o canal Curta! estreia em sua grade na próxima terça, dia 13, "Inhotim Arte Presente".

Ao todo, serão dez episódios de 52 minutos, dirigidos pelo cineasta carioca Pedro Urano, sobre arte contemporânea em suas múltiplas linguagens, tendo como ponto de partida a obra exposta por artistas no centro de arte a céu aberto de Minas Gerais. E Pedro Urano já tem material para três outros episódios, de uma futura série, sobre o jardim botânico, a arte e a natureza de Inhotim. Cada episódio de "Inhotim Arte Presente" dará conta do trabalho de um artista: além de Claudia Andujar, Tunga, Olafur Eliasson, Giuseppe Penone, Cildo Meireles, Matthew Barney, Miguel Rio Branco, Rirkrit Tiravanija, Jorge Macchi e Chris Burden. Todos nomes já consagrados nas artes e, à exceção de Tunga (falecido em 2016, durante o processo de produção da série), ainda vivos. -A Claudia é um caso peculiar na arte. Ela se apaixona por seu objeto a ponto de, em determinado momento, parar de fotografar e virar ativista. Os programas ultrapassam o escopo da arte para tratar de temas da atualidade. Como a questão dos índios da Claudia ou a relação muito peculiar da arte com ativismo presente nas obras do dinamarquês Olafur, que investiu em questões de refugiados e efeitos das mudanças climáticas - explica Pedro, que além do "mergulho" em Inhotim, onde acompanhou a instalação de obras e montagem de galerias, visitou os estúdios e casas dos artistas em diferentes países, fazendo entrevistas e garimpando imagens raras de arquivo. No ateliê de Tunga (que não quis ter imagens suas, no hospital, gravadas), Pedro descobriu, por exemplo, um vídeo inédito cujas imagens serão exibidas no programa sobre o artista que abrirá a série. Nele, Tunga está em sua casa, nos anos 1980, fazendo "alquimia", misturando elementos e formas que hoje são reconhecidas em suas obras em Inhotim (lá, o artista pernambucano é homenageado na galeria True Rouge, que expõe uma instalação feita de objetos pendentes com líquidos vermelhos ). - Tunga era eloquente, sempre foi muito sedutor, com uma obra que passava pela palavra. No programa, mostramos este lado. Sem tom memorialista, mas com imagens de arquivo de Tunga em diferentes épocas - diz Pedro, que conheceu o artista em 2004, quando fez a fotografia do curta-metragem "Quimera", e, para o episódio, entrevistou críticos de arte, como Suely Rolnik e Paulo Sergio Duarte, e o artista Arnaldo Antunes. "Inhotim Arte Presente" irá ao ar, no Curta!, às terças, às 23h, com reexibições ao longo da semana.

O Globo, 11/11/2018, Segundo Caderno, p. 5

https://oglobo.globo.com/cultura/revista-da-tv/docusserie-inhotim-arte-…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.