VOLTAR

Após incêndios florestais, Pantanal não registra focos ativos de calor

Correio do Estado - https://correiodoestado.com.br/c
Autor: Glaucea Vaccari
14 de Ago de 2021

Equipes fazem monitoramento via satélite, com drones, sobrevoos e militares em campo

Após registrar novos incêndios florestais durante a semana, o Pantanal Sul-mato-grossense não tem registro de focos ativos de calor.

De acordo com a Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), o controle a incidência de incêndios florestais é realizado em ações que fazem parte da Operação Hefesto.

O monitoramento dos focos é feito via satélite, através da Sala de Situação em Campo Grande, e também por meio de sobrevoos, uso de drones e permanência de militares do Corpo de Bombeiros em campo.

Até essa sexta-feira (13), não havia registro de focos ativos nos pantanais de Miranda e Corumbá, onde ocorreram os incêndios mais extensos durante a semana.

Últimas notícias
Houve incêndios de grandes proporções em uma floresta de carandazais, na Fazenda Cáceres, sub-região pantaneira do Nabileque, a sudoeste de Corumbá, controlado na quinta-feira (12).

Durante monitoramento, pequenos focos de calor foram combatidos e extintos.

Em Miranda, um foco monitorado que entrou em combustão na fazenda Bodoquena foi debelado.

Nesta região, o foco atingiu também as fazendas Barro Preto, Livramento e Nossa Senhora de Fátima.

Coordenador da operação, tenente-coronel Danilo Santos Moreira Leite, disse que as equipes continuam nas áreas fazendo o rescaldo e evitando que surjam novos focos.

"[Novos focos] geralmente ocorrem após o meio-dia, quando aumenta o calor e reduz a umidade", informou o tenente-coronel.

Seca
O Pantanal vive uma das piores secas de sua história, com uma média de chuva 40% menor do que no mesmo período dos anos anteriores.

Conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Estado registrou, nos últimos sete meses, 1.357 focos de calor.

Em junho, o total de focos ativos detectados pelo satélite de referência do Inpe chegou a 98, enquanto em julho o número disparou e fechou em 508.

Especialistas apontam que a estiagem e a geada dos últimos meses têm sido elementos determinantes para o aumento de incêndios florestais e urbanos e podem fazer com que a devastação causada pelo fogo demore muito para ser completamente recuperada no local.

Sem previsão se chuvas significativas pelo menos até outubro, a situação é preocupante e tende a piorar nos próximos meses.

No ano passado, incêndios destruíram cerca de 4 milhões de hectares, o que corresponde a 26% do bioma.

Cerca de 4,6 bilhões de animais foram afetados e pelo menos 10 milhões morreram.

https://correiodoestado.com.br/cidades/pantanal-nao-registra-focos-ativ…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.