VOLTAR

Antes de deixar pasta, Minc acelera projeto

OESP, Vida, p. A18
10 de Mar de 2010

Antes de deixar pasta, Minc acelera projeto

Rafael Moraes Moura
Brasília

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, acelerou a implantação de planos de manejo de unidades de conservação (UCs) federais. Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICM-Bio), foram criados 30 planos de manejo ? documento que mapeia e define regras de uso de cada unidade ? desde que Minc assumiu a pasta. Hoje, 98 UCs têm plano de manejo, o que representa 32% das 304 unidades. Outras 93 UCs estão com o plano em elaboração.
Perto de deixar o cargo para disputar eleições, Minc fez um balanço do papel do ministério na gestão das UCs. "Estamos tirando as unidades do papel", afirmou. "A unidade tem de existir no terreno, na prática, tem de ser implantada, senão é ficcional. Em uma reserva extrativista sem plano de manejo, como se vai saber o que pode e o que não pode?"
Dados do MMA e do ICMBio mostram que, na gestão de Marina Silva (janeiro de 2003 a maio de 2008), foram aprovados 20 planos de manejo. "A ministra avançou na questão, nós pegamos e avançamos", disse Minc.
No evento foram assinadas portarias de planos de manejo nas seguintes áreas: Florestas Nacionais do Amana e do Crepori (PA), Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque (AP e PA), Estação Ecológica dos Tupiniquins (SP), Reserva Biológica do Tapirapé (PA) e reservas particulares de patrimônio natural ? Rio das Lontras (SC) e Sesc Pantanal (MT). Foram aprovadas a criação de conselhos de gestão em outras unidades e dadas concessões florestais para Amana e Crepori, de onde poderá ser extraída madeira legal.
Ele lembrou que até o fim do mês o Parque Nacional da Serra das Confusões (PI) será ampliado e se tornará a maior UC da Caatinga no País, com 803 mil hectares. Devem ser criadas UCs na BA, ES, RR e entre PI e CE.

OESP, 10/03/2010, Vida, p. A18

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100310/not_imp521945,0.php

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.