VOLTAR

Amazônia já está 50% ocupada

JB, Ciência, p. A12
24 de nov de 2004

Amazônia já está 50% ocupada
Destruição é maior do que se supunha

Cerca de metade da Amazônia brasileira já foi ocupada pela atividade humana, devastada ou usada para atividades como a extração de madeira. Segundo o estudo divulgado ontem por uma entidade ambiental, a destruição é ainda pior do que indicam os dados do governo.
O estudo usou fotos de satélite para concluir que a ocupação e o desmatamento cobrem cerca de 47% da floresta, segundo a ONG brasileira Imazon, que recebeu financiamento de várias fontes, como a Fundação Ford e os governos da Alemanha e dos Estados Unidos.
Embora o governo diga que apenas 16% da Amazônia brasileira foi desmatada, o Imazon indica que uma área muito maior está sob ameaça ou sofrendo a destruição, segundo o pesquisador Carlos Souza.
- Isso mostra a verdadeira pressão sobre a floresta - alerta Souza, que usou imagens de satélite feitas até 2002.
Ambientalistas acusam o governo Lula de estar mais preocupado com a construção de estradas e represas para ajudar o setor agrícola do que com a preservação da floresta. 0 governo retruca afirmando que está usando fotos de satélites, criando reservas e reforçando a fiscalização para conservar a selva, onde está 10% da água doce do mundo e 30% das espécies vegetais e animais. 0 Ministério do Meio Ambiente não comentou a pesquisa.
A Imazon disse que o seu levantamento mostra a necessidade de que sejam criadas reservas ambientais no coração da floresta e nas regiões de fronteira, o que abarcaria dois terços do total da Amazônia.
-Vastas áreas de selva que eram antes consideradas vazais (especialmente no Norte e no Oeste) apresentam sinais de crescente pressão humana, especialmente por causa das queimadas - disse o estudo do Imazon.
0 desmatamento da Amazônia atingiu seu segundo maior nível no ano passado, quando uma área equivalente à de Sergipe foi destruída por agricultores e madeireiros.

JB, 24/11/2004, Ciência, p. A12

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.