VOLTAR

Acre: força-tarefa para regularizar situação de haitianos

O Globo, País, p. 8
11 de Abr de 2013

Acre: força-tarefa para regularizar situação de haitianos
PF e cinco ministérios vão trabalhar juntos; governador decretou situação de emergência

Luiza Damé

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, anunciou ontem uma força tarefa do governo federal, com cinco ministérios e a Polícia Federal, para regularizar a situação dos haitianos que entraram ilegalmente no Brasil, criando um grave problema social no Acre. Cardozo disse que a partir de hoje o efetivo da Polícia Federal será reforçado no estado para evitar a ação dos coiotes na fronteira do Acre e o movimento migratório ilegal.
Segundo o ministro, a partir de sexta-feira chegarão ao Acre representantes dos ministérios da Justiça, de Relações Exteriores, do Trabalho, da Saúde e do Desenvolvimento Social para atuar em parceria com o governo do Acre no atendimento aos haitianos. Anteontem, o governo do Acre decretou estado de emergência social nos municípios de Brasileia e Epitaciolândia.
- Tomamos um conjunto de medidas a partir da análise da situação dos haitianos. O Brasil tem uma tradição, que temos de respeitar, de receber migrantes, reconhecendo seus direitos e a possibilidade de aqui viverem dentro do que a lei estabelece. Exatamente pela situação que acontece no Acre, vamos fazer uma força tarefa com vários ministérios envolvidos, para cuidar do problema - disse o ministro.
O movimento migratório de haitianos começou em 2010, depois do terremoto que devastou o país e matou inclusive militares brasileiros da missão de paz e a pediatra Zilda Arns. Em 2012, o governo estabeleceu uma cota que cem vistos humanitários por mês, concedidos pela Embaixada do Brasil em Porto Príncipe. A estimativa das autoridades acrianas é que cerca de 1.700 haitianos entraram ilegalmente no estado nos três primeiros meses deste ano.

O Globo, 11/04/2013, País, p. 8

http://oglobo.globo.com/pais/governo-fara-forca-tarefa-para-regularizar…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.