VOLTAR

Abraço na represa

JT, Cidade, p. A7
05 de jun de 2006

Abraço na represa

Rodrigo Gallo
Rodrigo.gallo@grupoestado.com.br

Ambientalistas, lideres comunitários e vizinhos da Represa Guarapiranga se reuniram ontem, na Zona Sul da Capital, para dar um abraço simbólico nas margens do reservatório, que completa 100 anos em 2006.0 objetivo do ato foi sensibilizar a população sobre a importância da represa para o abastecimento em São Paulo e ressaltar a necessidade de preservar a bacia, que está bastante poluída. Esta foi a forma encontrada também para homenagear a Semana Mundial do Meio Ambiente, que começa hoje.
O abraço ocorreu em seis pontos ao longo da represa e reuniu, principalmente, famílias de moradores. Na Barragem, um dos locais de encontro, próximo da Avenida Robert Kennedy, cerca de 200 manifestantes chegaram por volta do meio-dia e, após a leitura de um relatório, deram-se as mãos.
"O esgoto doméstico, produzido principalmente em casas irregulares, é despejado na Guarapiranga, pois não é totalmente coletado",explicou o ambientalista Mauro Scarpinatti, da Organização Não-Governamental (ONG) Espaço Formação Assessoria e Documentação. Há ainda outro problema. "O esgoto coletado não recebe nenhum tipo de tratamento", alertou Lilia Toledo Diniz, colaboradora do Instituto Socioambiental (ISA).
Moradores da região dizem ainda que boa parte da poluição é proveniente do despejo de produtos químicos e metais pesados pelas indústrias vizinhas. No entorno da represa, além de inúmeros clubes fechados, é possível avistar diversas metalúrgicas e siderúrgicas.
Um dos moradores que percebe diariamente a degradação da centenária represa é José Tavolaro, 61 anos, que mora no local há 25. Ele acredita que as áreas de habitação irregular são as principais responsáveis pela poluição. "Antes não era assim. Tinha sujeira, mas aumentou muito como passar do tempo", lamentou. "São meus netos e bisnetos que vão sofrer, pois, daqui a alguns anos, não terá mais jeito de limpar a represa."
Rodoanel preocupa
Outro fator de preocupação para os ecologistas é um dos trechos do Rodoanel Mário Covas, que deverá cortar parte da Guarapiranga: As obras devem começar ainda neste ano e, segundo Scarpinatti, vão causar impactos negativos para a região. "A estrada vai passar em cima do Rio Embu-Mirim."
Para alertar a população sobre o perigo, e também celebrar o Dia do Meio Ambiente (comemorado hoje), outro grupo de ambientalistas reuniu a população para uma trilha ecológica na manhã de ontem.A caminhada partiu de Parelheiros, no futuro trecho do Rodoanel.
A Represa Guarapiranga é responsável pelo abastecimento de 3,7 milhões de pessoas na região sudoeste da Grande São Paulo, com a produção de 14 mil litros de água por segundo de acordo com cálculos do Instituto Socioambiental.
Abacia da represa possui mais de 63 mil hectares e estima-se que 42% da área sofra algum tipo de intervenção, como abertura de pastagens, lavouras e mineração. Além da Capital, a bacia da Guarapiranga engloba municípios como Itapecerica, São Lourenço e Embu.

JT, 05/06/2006, Cidade, p. A7

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.