VOLTAR

80 militares reforçam combate a fogo em reserva indígena no Maranhão

G1 - www.g1.globo.com
Autor: Maurício Araya e Tátyna Viana
27 de out de 2015

O comandante geral do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBM-MA), coronel Célio Roberto Pinto de Araújo, visita nesta terça-feira (27) a região da Terra Indígena (TI) Arariboia, no interior do Maranhão, para acompanhar e avaliar o trabalho de combate às queimadas que já consumiram mais de 45% da área de 413 mil hectares de Floresta Amazônica, segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Ele fará um sobrevoo pelas áreas atingidas pelo fogo, que ameaça 143 aldeias onde vivem 12 mil índios das etnias Gavião, Guajajara e Awa-Guajá. Acompanham a visita representantes do 50o Batalhão de Infantaria de Selva (50o BIS) e da Fundação Nacional do Índio (Funai), além do Ibama.

Nesta manhã, o comandante do CBM-MA anunciou um reforço de mais 40 bombeiros militares de São Luís (MA) à Operação Awá. No fim de semana, outros 40 homens já haviam sido incorporados à operação. Agora, são 333 brigadistas e bombeiros na operação, iniciada em 24 de setembro.

Prisões

No fim de semana, a fiscalização realizada paralelamente à Operação Awá resultou no embargo de duas serrarias que usavam madeira de origem ilegal no município de Arame (MA), município localizado a 476 km da capital, na região central do Estado. Um sócio e um gerente foram presos e encaminhadas à delegacia da Polícia Federal (PF) em Imperatriz (MA), uma das bases da operação.

Os agentes ambientais federais inutilizaram 24,75 metros cúbicos (m³) de madeira e aplicaram multa no valor de R$ 7.425. Na serraria WR Santos Madeiras, a fiscalização encontrou 57,35 m³ de toras sem documento. Além disso, 10 fornos a carvão, que já haviam sido embargados pelo Ibama há dois anos, estavam em operação e foram destruídos. A serraria foi multada em R$ 17.205 pela madeira ilegal e em mais R$ 61 mil pelo uso dos fornos embargados.

Chuva

Voltou a chover em algumas regiões da reserva indígena Arariboia. A precipitação se concentrou nos municípios de Amarante (MA) e Arame, o mais atingido pelas queimadas, onde choveu cerca de 20 mm.

"A chuva ajuda, mas após ela continua uma operação para contenção dos focos de incêndio, para que eles não retornem novamente", explicou a analista do Ibama, Ananda Santa Rosa, ao G1.

Nessa segunda-feira (26), o tempo nublado dificultou o monitoramento via satélite das queimadas na reserva indígena. No fim da tarde desta terça-feira, serão conhecidos os novos números da operação.

A previsão para os próximos dias, no entanto, é otimista para o Estado, segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC). Para esta terça, há previsão de variação de nebulosidade possibilidade de pancadas de chuva à tarde em toda a região sul do Maranhão.

Essa é a tendência também para esta semana.

Queimadas

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em outubro já foram registrados 6.316 focos de incêndio, quase próximo ao índice registrado em setembro, mês que registrou o maior número de focos em 2015: 6.423.

http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2015/10/80-militares-reforcam-c…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.