VOLTAR

Vai haver mais secas

O Globo, O Pais, p.15
Autor: NOBRE, Carlos Afonso
19 de out de 2005

Corpo-a-Corpo: Carlos Nobre
Vai haver mais secas
Estudioso dos efeitos do desmatamento no clima, o cientista Carlos Nobre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), afirma que a seca na Amazônia é fenômeno passageiro, cuja causa mais provável é o aquecimento do Oceano Atlântico.
Adauri Antunes Barbosa
Qual a explicação para a seca na Amazônia?
Carlos Nobre: A maior probabilidade é que o principal responsável por essa seca seja um mecanismo atmosférico oceânico. As águas do Oceano Atlântico ao norte da América do Sul estão mais quentes que a média. Estão acima de 28 graus. Isso faz com que haja movimento atmosférico ascendente em cima das águas quentes.
Voltou a chover, mas vai demorar para os rios voltarem a ficar cheios?
Nobre: Exatamente. No aspecto meteorológico, não podemos dizer que a seca continua porque voltou a chover no extremo oeste da Amazônia. No aspecto hidrológico, o caboclo ribeirinho vê a chuva cair, mas o nível do rio está lá embaixo ainda.
Essa seca é inédita?
Nobre: Temos poucos registros de secas tão intensas como esta. Certamente é a seca mais intensa no oeste da Amazônia. No Acre, desde que existem registros, esta é a seca mais intensa. No centro da Amazônia talvez tenha havido duas ou três secas com essa magnitude em cem anos. E no leste da Amazônia não dá para saber, pois a região é afetada pelo El Niño.
O intenso desmatamento da Amazônia influi na seca?
Nobre: Se os desmatamentos atingirem uma dimensão muito grande, vão impactar o clima da região. Mas a dimensão dessa seca é maior do que a dimensão das áreas desmatadas. Ela afetou o extremo oeste da Amazônia e o oeste do Acre, áreas de floresta preservada.
A seca tem influência do efeito estufa do planeta?
Nobre: Diretamente, não tem a ver. Mas há estudos mostrando que se o clima continuar aquecendo, os extremos climáticos, como essa seca, como furacões intensos, tempestades severas e inundações, vão ocorrer com mais freqüência.
Como o senhor avalia essas mudanças climáticas?
Nobre: Estamos no começo da aceleração do ciclo hidrológico, que é a evaporação, a formação de nuvens, as chuvas e o escoamento das águas. Esse ciclo se acelera com o aquecimento global. A aceleração do ciclo hidrológico está na raiz da projeção que fazemos do aumento da freqüência dos extremos. Vai haver mais secas, inundações e fenômenos intensos, extremos, climáticos e meteorológicos.

O Globo, 19/10/2005, p. 15

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.