VOLTAR

Um projeto para proteger a Juréia

OESP, Vida, p. A14
06 de jun de 2006

Um projeto para proteger a Juréia
Governo propõe a criação de mosaico com 8 unidades de conservação

Herton Escobar

A Estação Ecológica Juréia-Itatins, no litoral sul de São Paulo, entre Peruíbe e Iguape, deverá ter seus limites alterados, segundo um projeto de lei apresentado ontem pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente à Assembléia Legislativa. No lugar de uma única grande área protegida, o projeto prevê a criação de um mosaico de oito unidades de conservação - algumas de proteção integral e outras de uso sustentável.

No mapa final, mesmo com a fragmentação, a estação deverá ficar com 12 mil hectares a mais - 5 mil hectares em terra e 7 mil hectares dentro de um novo prolongamento marítimo da unidade. Hoje, a estação tem cerca de 80 mil hectares. A maior parte está em excelente estado de preservação, com mata atlântica praticamente intocada. Nas bordas que fazem divisa com áreas urbanas, entretanto, há problemas com o turismo descontrolado e a especulação imobiliária.

O maior incremento seria a incorporação dos 16,5 mil hectares da Estação Ecológica Banhados de Iguape (dividida em Banhado Grande e Banhado Pequeno), criada pelo ex-governador Geraldo Alckmin um dia antes de abandonar o cargo, no fim de março.

Por outro lado, partes da estação seriam convertidas em parques estaduais (para acomodar o turismo) e reservas de desenvolvimento sustentável (para acomodar as populações tradicionais que vivem dentro da unidade). Também seria excluída uma área de 1.773 hectares no extremo norte, densamente ocupada por plantações de banana.

Dentro de uma Estação Ecológicas são permitidas apenas atividades científicas e de educação ambiental, o que cria conflitos na delimitação atual.

Apesar de ter sido criada há 20 anos, a Juréia até hoje não tem plano de manejo, o documento básico para implementação de qualquer unidade de conservação. "Temos de esperar que esse projeto seja aprovado para estabelecer os limites de onde estão as coisas", disse o secretário de Meio Ambiente do Estado, José Goldemberg. "A estação é imensa e está quase toda intocada. Estamos atacando o problema a tempo."

OESP, 06/06/2006, Vida, p. A14

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.