VOLTAR

Terra sim! Barragem não!

Boletim Informativo MOAB, mar. 2007, p. 6
31 de mar de 2007

Terra sim! Barragem não!

Com esse grito foi iniciada a caminhada organizada pelo MOAS - Movimento dos Ameaçados por Barragens no Vale do Ribeira, com aproximadamente 2500 pessoas, vindas de diversos lugares do Brasil, mais a população do Vale do Ribeira:- Iguape, Registro, Pariquera-Açu, Sete Barras, Barra do Turvo, Cajati, Juquiá, Jacupiranga, Itariri, Iporanga, Eldorado, do trevo de Cajati até a Prefeitura de Jacupiranga pela BR-I16, em protesto à construção da Barragem de Tijuco Alto no Ribeira de Iguape; - o único rio que corre livre no estado de São Paulo, para produção de energia pára fins privados. Várias entidades também presentes como o Instituo Sócio Ambiental, Viva Água, MST, Cut e outras.

O evento aconteceu no dia 24 de março próximo passado, iniciando com as palavras de incentivo de Don Jose Luiz Bertanha, Bispo da Diocese de Registro. Animados com o carro de sorri, homens, mulheres crianças e jovens iniciaram a caminhada às oito horas e quarentas cinco minutos, sob um sol forte, os 10 quilômetros até a cidade de Jacupiranga.

Sem incidentes de nenhuma ordem, o povo caminhou, cantando, gritando, apitando e saudando os caminhoneiros que passavam pela' meia faixa da estrada com distribuição de uma carta aberta, denunciando a ameaça que paira sobre a cabeça da população do Vaie do Ribeira com a construção da barragem de Tijuco Alto no Ribeira de Iguape e de outras projetadas: Itoca, Funil e Batatal e solicitando adesão à luta. Após uma parada de vinte minutos, a 500 metros da entrada da cidade de Jacupiranga e ocupando toda a pista da estrada, a população mostrou sua indignação com a construção dessas barragens.
O encerramento se deu em frente a Prefeitura Municipal de Jacupiranga, onde várias pessoas tiveram oportunidade de se manifestar e apoiar a luta.

Boletim Informativo MOAB, mar. 2007, p. 6

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.