VOLTAR

Sespa já doou 59 mil máscaras e 1,9 mil litros de álcool para comunidades quilombolas

Agência Pará - https://www.agenciapara.com.br/noticia/20863
Autor: Por Mozart Lira (SESPA)
17 de jul de 2020

Terceira remessa equipamentos de proteção foi feito a populações da região do Baixo e Alto Acará e beneficiou a 2,9 mil famílias de 26 comunidades

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) entregou mais 20 mil máscaras e 800 litros de álcool 70% a comunidades quilombolas da região do Baixo e Alto Acará, como parte das estratégias do governo do Estado de prevenção ao contágio pelo coronavírus.

O terceiro repasse de material de proteção a quilombolas dessas duas regiões do Pará ocorreu nesta quarta (15) e quinta-feira (16), por meio da equipe da Coordenação Estadual de Saúde Indígena e Populações Tradicionais (Cesipt) da Sespa.

Em benefício à população quilombola do Pará, as três entregas de material de EPIs já somaram, até agora, 59 mil máscaras descartáveis e 1.900 litros de álcool 70o feitas pela Sespa.

A iniciativa faz parte das ações para que as comunidades quilombolas possam se proteger do contágio pelo novo coronavírus. Na quarta-feira, o material doado beneficiou 1.200 famílias das comunidades São José, Catiuaia/Itapuama, Jabaquara, Associação Quilombola Menino Jesus, Monte Alegre, Trindade 1, Trindade 2, Trindade 3, Paraíso, Itacoã, Guajará Miri, Jambuaçu/Jenipaúba, Associação dos Produtores Orgânicos de Boa Vista, Associação Nova Aliança de Boa Vista, Santa Quitéria, Boa Vista e Santa Rosa.

Essas comunidades receberam 11 mil máscaras e 400 litros de álcool 70o, além de kits de higiene bucal, em parceria com a Coordenação de Saúde Bucal/Sespa.

Na quinta-feira, receberam o material de proteção 1.700 famílias das comunidades Fortaleza, São Sebastião, Laranjeira e Burajuba, da Região do Açú; Trevo de Santa Maria/Agrovila Santa Luzia; Vila Sapucaia; Guatumã e Associação dos Quilombolas do Alto Acará.

Para essas comunidades, foram doados 400 litros de álcool 70o, 9 mil máscaras descartáveis e kits de higiene bucal.

Tatiany Peralta, coordenadora da Coordenação Estadual de Saúde Indígena e Populações Tradicionais (Cesipt), diz que a Sespa repassa materiais para as medidas preventivas, orienta e capacita profissionais e gestores municipais de saúde quanto às notas técnicas, protocolos e fluxos estabelecidos para a assistência aos pacientes confirmados ou com suspeita de Covid-19 em comunidades quilombolas.

A Cesipt também tem monitorado, com apoio dos Centros Regionais de Saúde e secretarias municipais de Saúde, os casos suspeitos e/ou confirmados, descartados, recuperados e de óbitos, por Covid-19, principalmente em municípios onde há comunidades quilombolas.

"Nosso objetivo é fortalecer os serviços de saúde para a detecção, notificação, investigação e monitoramento de prováveis casos suspeitos, com a identificação dos indígenas e quilombolas, conforme as orientações do Ministério da Saúde", ressaltou Tatiany.

Para intensificar o enfrentamento da pandemia de Covid-19, nessas comunidades também foi criado um grupo de trabalho entre Sespa, Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), Coordenação Malungo e líderes quilombolas.

https://www.agenciapara.com.br/noticia/20863

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.