VOLTAR

Seminário Regional de Espécies Exóticas Invasoras propõe troca de experiências entre estados da região sul do país

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E INFRAESTRUTURA - https://www.sema.rs.gov.br/inicial
Autor: Texto: Xaene Pereira / Edição: Vanessa Trindade
04 de dez de 2019

Seminário Regional de Espécies Exóticas Invasoras propõe troca de experiências entre estados da região sul do

Um dos principais problemas de conservação ambiental no mundo, as espécies exóticas invasoras, foi o foco das discussões do primeiro seminário realizado no sul do país sobre o assunto. O Seminário Regional de Espécies Exóticas Invasoras aconteceu na terça-feira (03/12) na Assembleia Legislativa, em Porto Alegre, e promoveu a integração entre especialistas, autoridades, estudantes e pesquisadores do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Os três estados são pioneiros no Brasil no desenvolvimento de ações para controle e erradicação de espécies exóticas invasoras.

De acordo com a Convenção sobre Diversidade Biológica, espécie exótica invasora é aquela que, introduzida fora da sua área de distribuição natural, representa ameaças aos ecossistemas, habitats ou espécies. Os riscos existem por seu potencial invasor e capacidade de exterminar espécies nativas, destruindo as características peculiares da biodiversidade local.

No RS, umas das espécies exóticas invasoras que mais causam estragos à fauna e à flora é o Javali. Sua expansão territorial e demográfica implica em impactos econômicos, sociais e ambientais. Como medida de controle e monitoramento da espécie, foi criado o Plano Estadual de Prevenção, Controle e Monitoramento do Javali (Plano Javali/RS), coordenado pela Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema).

Através da troca de experiência, o seminário buscou ampliar o conhecimento e mostrar a relevância do tema. O evento também serviu para tornar conhecidas as ações já desenvolvidas no que se refere à detecção, controle e monitoramento das espécies exóticas e os desafios no enfrentamento do problema.

"O tema é reconhecido como um dos maiores desafios para conservação da biodiversidade no planeta. Para enfrentar esse problema, é preciso evitar restringir o nosso olhar para as ações locais pontuais e expandir essa atuação em termos regionais", explica o analista ambiental Dennis Patrocínio, coordenador do Programa Estadual de Espécies Exóticas Invasoras (Invasoras RS).

Promovido pela Sema, o seminário foi uma das ações do Invasoras RS e contou com a coorganização do Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) e do Instituto Ambiental do Paraná (IAP). Durante a abertura, o secretário adjunto do Meio Ambiente e Infraestrutura RS, Paulo Roberto Dias Pereira, explicou que "o enfrentamento a esse problema só foi possível por meio de um planejamento que se deu em conjunto com a sociedade civil, setor produtivo, setores público e privado, determinando suas respectivas responsabilidades".

Para a engenheira florestal e membro do Grupo Especialista em Espécies Invasoras (ISSG), Silvia Ziller, "o seminário vai servir como referência para que mais estados do Brasil e países vizinhos possam conhecer modelos e seguir ações concretas que já estão sendo realizadas". Segundo ela, a expectativa é de que mais pessoas possam perceber a relevância de se trabalhar esse tema na prática, nas questões aplicadas ao controle e erradicação de espécies exóticas invasoras.

A engenheira agrônoma do Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA), Elaine Zuchiwschi, reforçou a relevância dessas discussões ao dizer que "o seminário é importante por ser o primeiro evento que une os programas existentes sobre espécies exóticas invasoras dos estados do sul do país, uma iniciativa inovadora e que promove a integração dos responsáveis pelas ações desenvolvidas".

Na opinião do secretário-executivo do Conselho Estadual do Meio Ambiente do Paraná, João Batista Campos, "a região sul enfrenta problemas seríssimos de invasão, por isso é importante que, além da troca de experiência, o processo de elaboração de estratégias para enfrentar o problema é o diferencial desse seminário", relatou.

Também participaram como painelistas ou mediadores o coordenador-geral de Gestão da Biodiversidade, Florestas e Recuperação Ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Rodrigo Dutra da Silva; o diretor do Departamento de Biodiversidade da Sema, Diego Pereira; o biólogo da Fundação de Proteção Ambiental (Fepam), Luís Fernando Perelló; a bióloga do IMA, Luthiana Carbonell dos Santos; a engenheira florestal do IAP, Junia Heloisa Woehl; a pesquisadora do Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural RS (SEAPDR), Fabiana Quoos Mayer; o integrante do Ministério de Habitação, Planejamento Territorial e Meio Ambiente do Uruguai, Marcelo Iturburu; Camila Both, Isadora Bisognin Cervo e Pedro Augusto Thomas, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs); e Jaqueline Beatriz Dreyer, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Como fechamento do seminário, ocorre nesta quarta-feira (04/12) uma reunião entre os especialistas e pesquisadores dos três estados, para definição de iniciativas conjuntas de controle de espécies exóticas.

https://www.sema.rs.gov.br/seminario-regional-de-especies-exoticas-inva…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.