VOLTAR

Seminário discute recuperação da água do Rio Doce

ICMBio - http://www.icmbio.gov.br/
19 de out de 2017

ICMBio e parceiros promovem o evento, que vai ocorrer nestas quinta (26) e sexta (27) em Linhares, no litoral do Espírito Santo. Na ocasião, será lançado o Guia de Licenciamento Tartarugas Marinhas

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), por meio das unidades de conservação (UCs) que integram o Mosaico da Foz do Rio Doce e do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação das Tartarugas Marinhas e Biodiversidade Marinha do Leste (Tamar), e em parceria com o Comitê de Bacias Hidrográficas de Barra Seca e Foz do Rio Doce e a Prefeitura Municipal de Linhares (ES), promove nestas quinta (26) e sexta (27) o Seminário Recuperação da Água na Planície Costeira do Rio Doce - Perspectivas e soluções.

O evento acontece no auditório da Faculdade Pitágoras, na Avenida São Mateus, 1458, Araçá, em Linhares. Durante o seminário, será lançado o Guia de Licenciamento Tartarugas Marinhas, pelo Centro Tamar/ICMBio, com a presença do presidente do Instituto Chico Mendes, Ricardo Soavinski.

A abertura do seminário será às 9h desta quinta. Às 10h, haverá apresentação sobre a 'Planície Costeira do Rio Doce: histórico e situação atual', com Antônio de Pádua Almeida, gestor da Reserva Biológica (Rebio) de Comboios, que integra o Mosaico da Foz do Rio Doce, e João Carlos Alciati Thomé (Joca), chefe do Centro Tamar. A Rebio e o Tamar são administrados pelo ICMBio.

Na sequência, o professor Gilberto Barroso, da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), falará, a partir das 10h40, sobre 'A importância da Planície Costeira do Rio Doce para a conservação da água nas microbacias de áreas interiores'. Já às 11h20, o professor João Lani, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), abordará 'Impactos da drenagem artificial nos solos da Planície Costeira do rio Doce'.

À tarde, às 14, Geraldo Ferreguetti, do CREA, falará sobre 'Regime hídrico da Planície Costeira do Rio Doce: análise histórica das chuvas e do uso da água na região'. Às 14h40, um representante da Fundação SOS Mata Atlântica enfocará o tema 'Evolução da supressão da cobertura florestal na região da Planície Costeira do rio Doce'.

Já às 15h40, dirigente do Instituto Jones Santos Neves (JSN) discorrerá sobre 'Cenário atual da ocupação humana na região da Planície Costeira do Rio Doce - Demografia, Economia e perspectivas'. A partir de 16h20 estão previstos debates e apresentação (17h30) da dinâmica de trabalho dos grupos temáticos. O dia 27 será marcado por grupos de trabalho temáticos e apresentação dos resultados alcançados.

Mosaico da Foz do Rio Doce

O Mosaico da Foz do Rio Doce foi criado por meio da Portaria MMA 489, de 17/12/2010. As unidades de conservação que integram o mosaico são a Floresta Nacional de Goytacazes, a Reserva Biológica de Comboios e a Reserva Biológica de Sooretama, todas federais, administradas pelo ICMBio e localizadas no Espírito Santo; a Área de Relevante Interesse Ecológico do Degredo, administrada pelo Instituto Estadual de Meio Ambiete do Espírito Santo (IEMA-ES) e as reservas particulares do patrimônio natural (RPPNs) Restinga de Aracruz, Recanto das Antas e Mutum Preto, todas municipais localizadas em Aracruz e Linhares e administradas pela Fibria.

O seminário tem o apoio do projeto Proteção e Gestão Integrada da Biodiversidade Marinha e Costeira - Projeto TerraMar, coordenado pela Secretaria de Recursos Hídricos e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, em parceria com a GIZ, da Leão Alimentos e Bebidas, da Faculdade Pitágoras e do CREA-ES.

Serviço:

O quê: Seminário Recuperação da Água na Planície Costeira do Rio Doce - Perspectivas e soluções
Quando: 26 e 27 de outubro, manhã e tarde
Onde: Auditório da Faculdade Pitágoras, na Avenida São Mateus, 1458, Araçá, em Linhares (ES)
Importante: confira aqui a programação completa

http://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/9236-seminari…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.