VOLTAR

Sem solução rápida, índios podem denunciar governo

Agência Brasil
Autor: Aline Bravim e Roberta Lopes
24 de abr de 2007

Brasília - Os índios Marubo prometem acompanhar as ações do governo no combate ao surto de hepatite B que afeta o do Vale do Javari, no Amazonas. Caso não haja resultado, eles querem denunciar o governo a organizações internacionais como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização de Estados Americanos (OEA). A decisão foi tomada após reunião, semana passada, com o ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

O ministro da Saúde informou que será realizada uma campanha de vacinação em massa na região, para atender à reivindicação dos índios. Segundo os índios, 80% da população de mais de 4 mil indígenas estão doentes.

"Daqui a dois meses vamos fazer uma avaliação dessas atividades e após essa avaliação vamos ver. Se for negativa, vamos montar uma comissão para fazer uma peregrinação na Europa e denunciar o governo brasileiro a respeito dessa situação negativa", afirmou Eliésio Marubo, um dos líderes da região.

Marubo disse ainda que uma das sugestões do ministro foi a de fazer parcerias com a Fundação Nacional do Índio (Funai) para tentar resolver os problemas dos índios. De acordo com os índios, 80% da população indígena está doente. Eles acreditam que um dos principais problemas é a falta de fiscalização do território, o que aumenta o número de invasores, como garimpeiros e madeireiros ilegais.

Os índios dizem que há poucos funcionários do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e da Funai para fazer a fiscalização do território, que tem 8,5 milhões de hectares e uma população de mais de 4 mil indígenas. A Terra Indígena Vale do Javari fica no extremo ocidente do Amazonas.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.