VOLTAR

Seis índios morrem e 19 ficam feridos em acidente de caminhão

Funai-Brasília-DF
25 de jan de 2006

Um caminhão alugado pelos índios Pakaanova, de Rondônia, para transportar castanha tombou na manhã desta quarta-feira, matando duas crianças, dois homens e duas mulheres. Outros 19 índios ficaram feridos. O motorista e proprietário do veículo, conhecido na região como Zinho, fugiu logo depois do acidente e está sendo procurado pela polícia do estado.

Segundo informações do chefe de posto local da Funai, Dídimo Graciliano de Oliveira, os motivos do acidente ainda não estão confirmados. Mas há suspeitas de que o motorista tenha adormecido ao volante. Ao sair da pista, ele tentou retornar para a estrada, mas tombou a 3km da entrada do Município de Guajará-Mirim.

Neste período de colheita do fruto, é comum que índios de diferentes aldeias da etnia Pakaanova levem sua produção para ser vendida na cidade. Ontem, o caminhão de propriedade dos indígenas quebrou e eles requisitaram apoio da Funai da região para alugar um outro veículo. O administrador da Funai pagou o combustível do caminhão e, hoje, os indígenas pagariam o aluguel do transporte com a venda da castanha.

O caminhão transportava, além da carga, 25 indígenas. Vinte e três deles estavam na caçamba. Eles levavam a castanha colhida na Terra Indígena Ribeirão, localizada no extremo oeste de Rondônia, na fronteira com a Bolívia, para ser escoada em Guajará-Mirim.

De acordo com Dídimo, os seis corpos já foram levados pela Funai para as respectivas aldeias (uma pessoa da aldeia Sagarana, uma da Lage Velho e quatro da Ribeirão). A Funai e a Funasa também estão prestando assistência para os 19 feridos. Dois deles, em estado grave, foram levados de helicóptero para Porto Velho.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.