VOLTAR

Ricos e pobres fazem pactos pela reducao de processos de extincao

OESP, Geral, p.A11
21 de fev de 2004

Ricos e pobres fazem pacto pela redução de processos de extinção Países acertaram o pagamento de 'compensações' às nações em desenvolvimento
KUALA LAMPUR - Países ricos e pobres fecharam um acordo preliminar para reduzir o processo de extinção de plantas e animais. O pacto incluiria a criação de áreas protegidas e o pagamento de "compensações" às nações em desenvolvimento pela preservação de seus recursos naturais. "Temos um acordo", disse Hans Hoogeven, um dos principais negociadores da Organização das Nações Unidas (ONU) no assunto. As autoridades estão reunidas há mais de dez dias na Malásia para discutir a preservação biológica, durante a 7.ª Conferência Mundial de Biodiversidade.
Segundo Hoogeven, um grupo central de países fechou compromisso sobre uma série de temas polêmicos, como os direitos de comunidades indígenas, regulamentos para a criação de novas reservas, acesso aos recursos genéticos e repartição de lucros obtidos com pesquisa. Faltava ainda, entretanto, a aprovação final de todos os países, em uma reunião que avançou na madrugada de sábado.
Na noite de quinta-feira, ministros de Meio Ambiente de cem países já haviam se comprometido a reduzir os níveis de extinção até 2010, sob o alerta de que atividades humanas estão causando a perda de espécies em um ritmo "sem precedentes". Ambientalistas, porém, consideraram o compromisso fraco demais, já que as nações mais ricas não terão nenhuma obrigação de financiar programas de preservação nos países mais pobres.
Segundo o ministro de Meio Ambiente da Alemanha, Jurgen Trittin, as nações ricas estão "convencidas de que o mundo em desenvolvimento precisa de mais dinheiro para conservação". Disse, no entanto, que é preciso mais tempo para identificar projetos genuínos para financiamento. (Reuters e AP)
OESP, 21/02/2004, p.A11

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.