VOLTAR

Relatório aponta 7 casos de violência contra índios em MT em 2015

G1- http://g1.globo.com
15 de set de 2016

Um relatório elaborado pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI), divulgado nesta quinta-feira (15), aponta que a violência contra os povos indígenas permanece alta no país. Em Mato Grosso, apesar de assassinatos de indígenas não terem sido contabilizados em 2015, ano em que se baseia o levantamento, ocorreram diversos casos de violência contra os povos que vivem no estado, como ameaças, tentativas de assassinatos e violência sexual.

O relatório "Violência contra os povos indígenas no Brasil" mostra, ainda, que são muitos os casos de conflitos envolvendo índios, produtores rurais e posseiros em disputa por terras. Conforme o CIMI, em 2015 , apenas em Mato Grosso, foram registrados 45 casos de violência contra o patrimônio, destruição de áreas, desmatamento e invasões de terras indígenas. No país, foram 725 ocorrências.

No estado, foram registrados, apenas no final do ano passado, três casos de tentativas de assassinato, sendo duas contra índios da etnia Enawenê-Nawê, em Brasnorte, município a 580 km de Cuiabá. Um dos casos ocorreu em outubro, quando um índio foi atacado por caminhoneiros e fazendeiros que trancavam a MT-170, em protesto contra os povos indígenas da região. O segundo indígena daquele povo a sofrer um atentado foi atacado após furar um bloqueio montado por fazendeiros, em novembro daquele ano.

O terceiro caso de tentativa de assassinato foi registrado em Poxoréu, a 259 km da capital, onde crainças do povo Bororo que moram na Terra Indígena Jarudori foram abordadas na porteira da aldeia e receberam peixes que estavam envenenados. Elas não chegaram a comer, mas animais que provaram o alimento morreram no local.

Ameaças e racismo

Conforme o relatório, foi registrada ainda uma ameaça em Mato Grosso, contra o povo Kanela, que mora na Terra Indígena de mesmo nome, em Luciara, a 1.180 km de Cuiabá, e um caso de racismo praticano contra tribos de várias etnias que moram na Terra Indígena do Xingu, em Santa Cruz do Xingu, a 994 km da capital.

Uma ocorrência de lesão corporal dolosa é apontada pelo levantamento no estado, quando um índio da etnia Xavante foi vítima de espancamento em Bom Jesus do Araguaia, município a 983 km de Cuiabá. Mato Grosso também contabilizou um caso de violência sexual contra uma criança indígena. Ela teria sido abusada pelo pai adotivo, na casa onde residia, em Cuiabá.

Assassinatos

Em todo o país, segundo o relatório, 54 índios foram assassinados, conforme o relatório. Já os números oficiais da Secretaria Especial de Saúde Indígena apontam um cenário maior, com 137 índios assassinados em 2015. No entanto, a pasta não detalha os casos registrados.

Para o CIMI, pesquisadores e o Ministério Público Federal, a situação está cada vez mais grave no país porque o Brasil não avança nos processos de demarcação e homologação das áreas indígenas. Ao todo, 654 terras indígenas aguardam providências do poder público, sendo que 42 delas estão localizadas em Mato Grosso.

"O Ministério da Justiça tem sob suas mãos vários atos de reconhecimento de terras indígenas que precisam ser homologados. A Funai [Fundação Nacional do Índio] tem vários processos e grupos de trabalho em andamento que precisam também ser agilizados", afirmou o subprocurador-geral da República, Luciano Maia.

http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2016/09/relatorio-aponta-7-caso…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.