VOLTAR

Quem compra, além de direitos, tem deveres

OESP, Economia, p. B8
13 de set de 2004

Quem compra, além de direitos, tem deveres
Denunciar empresas que não respeitam as leis e o meio ambiente é uma das obrigações

Tatiane Matheus

O empresário Carlos Bocuhy não compra produtos com embalagens que não podem ser recicladas, separa o lixo e não escuta CD pirata. Seu cartão de visitas é de papel reciclado. Até deixou de usar uma marca de tênis que adotava trabalho infantil nas fábricas. "Não sou radical, não reclamo por qualquer coisa, mas sempre vejo a procedência dos produtos que consumo", diz.
Quem reclama do desmatamento, se revolta com cambistas, sofre com enchentes e com racionamento, mas compra ingressos fora da bilheteria, joga lixo no chão e lava a calçada com mangueira não está cumprindo deveres de consumidor. "A ética no consumo deve ser preservada quando consumimos algo.
Tanto pelo consumidor quanto pelo fornecedor, observando a produção e aquisição de bens e serviços", explica Cid Alledi, pesquisador do Laboratório de Tecnologia, Gestão de Negócios e Meio Ambiente da Universidade Fluminense (Latrec). Ele afirma que o consumidor pode tirar produtos de baixa qualidade do mercado ao parar de comprá-los. "Com consumidores exigentes, as empresas terão de melhorar a qualidade para poder vendê-los."
Ele explica que tudo o que consumimos causa impacto. Uma torneira pingando gasta, em média, 150 litros de água por dia. O ser humano precisa de dois litros diários, então essa água pode mantê-lo por dois meses e meio. Um papelzinho dentro impede que uma garrafa seja reciclada. E é possível escovar os dentes com metade da pasta mostrada nos comerciais. "Para satisfazer necessidades de materiais e energia dos seis bilhões de habitantes da Terra, gastamos 20% a mais do que ela pode oferecer." Para Alledi, é preciso conhecer a procedência dos produtos, pensar no desenvolvimento sustentável e prestigiar empresas responsáveis.
A professora Helga Szmuk concorda e acrescenta que o brasileiro não gosta de reclamar. "Quem faz isso passa por chato." Ela diz que separa o lixo, mas depois o lixeiro mistura tudo. "Não sou consumista, tenho uma saia com uns 20 anos. Só compro o que preciso."
Nos anos 80, as empresas perceberam que o consumidor esclarecido e exigente poderia abalar vendas. O gerente de informações do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Marcos Pó, comenta que, para ter influência, o consumidor precisa de informação. O Idec analisa empresas em três aspectos:
comportamento em relação ao trabalho, à natureza e ao consumidor. No início do ano, sete empresas receberam a pesquisa. Apenas uma respondeu. Duas enviaram balanços sociais e as demais um projeto de responsabilidade social.
A pesquisa está no site www.idec.org.br.
Pirataria - Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Softwares (Abes), a indústria deixou de faturar, em 2002, US$ 1,36 bilhões por causa da pirataria. E copiar software, segundo a Lei n.o 9.608/98, é crime, com pena de seis meses a quatro anos.
Em 2003, a Associação Protetora dos Direitos Fonográficos (APDIF) acompanhou as autoridades brasileiras na apreensão de 17 milhões de CDs piratas.
Segundo a APDIF, 56 mil postos de trabalho foram fechados desde 1999 por causa da pirataria, e 59% do mercado é de produtos ilegais. Isso equivale à diminuição de 30% nos empregos, 30% na contratação de artistas, fechamento de 2 mil lojas e 24% menos lançamentos.
"Quando você trabalha, quer receber salário. Ao comprar CD pirata, você tira o salário de alguém", diz Roberto Poletto, diretor-geral da Practica, empresa de duplicação de mídia. A empresa faz parte de duas associações antipirataria. Ele explica que o crime é sofisticado. Uma torre de duplicação custa de R$ 5 mil a R$ 6 mil e faz 25 CDs por hora. Marcos Pó lembra que quem compra produtos falsificados quer ter acesso ao consumo. "As empresas devem buscar a inclusão de seus produtos."

Se não for pela natureza, que seja pelo próprio bolso
Greenpeace dá dicas sobre como economizar e ainda evitar danos ao meio ambiente
Atitudes que preservam o meio ambiente ajudam a economizar. Tudo que é consumido causa algum impacto, seja na produção, seja quando se torna lixo.
A coordenadora da Campanha do Amazonas do Greenpeace, Rebeca Lerer, diz que a ONG tem um viés para os consumidores. "Quando você economiza, diminui o impacto sobre o meio ambiente", comenta. "Devemos usar os recursos pensando no coletivo. Todos querem ter tudo de última geração, mas, quanto maior a vida útil do produto, menor a necessidade de comprar coisas novas."
Ela sugere que sejam usados produtos biodegradáveis, embalagens com refis e com maiores quantidades. Quem tem chuveiro que demora para esquentar pode colocar um balde para armazenar a água fria e usá-la para regar plantas.
Encher a pia de água ao lavar a louça é outra dica. "Economizar água e luz é uma atitude sensata."
Aproveitar a moda de customização de roupas é outra maneira de economizar pensando no meio ambiente. Para produzir roupas de algodão é usada terra, água, luz e tinturas, que algumas vezes são tóxicas. Rebeca diz que roupas e móveis devem ser reciclados ou doados. "Gasta-se mais energia para fabricar uma pilha do que ela mesma gera. Uma boa opção é utilizar pilhas recarregáveis. Comprar computadores que possibilitem upgrades também é bom para o bolso e para o meio ambiente." Ela aconselha também a conhecer e votar em políticos cuja plataforma inclua o meio ambiente.
"Se as pessoas não mudarem o seu consumo, elas destruirão o espaço onde vivem. Salvando a natureza, estaremos salvando a nós mesmos", afirma a coordenadora. (T.M.)

OESP, 13/09/2004, Economia, p. B8

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.