VOLTAR

Projetos dão incentivos à cultura indígena

Jornal do Tocantins-Palmas-TO
Autor: Mariá Soares
18 de fev de 2002

Com uma população de aproximadamente 6 mil pessoas, as comunidades indígenas que vivem no Tocantins participam de vários programas desenvolvidos pelo governo do Estado. Na área da educacional, a Secretaria da Educação desenvolve o projeto de Educação Bilígüe nas aldeias. Na área cultural, o Tocantins se destacou nacionalmente com o Conhecendo e Preservando as Culturas Indígenas, que recebeu em 1999 do Ministério da Cultura o prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade. O registro documentou em vídeo, fotografia e em livro a cultura das seis etnias, abordando aspectos históricos, culturais e sociais.

Resgate
Há um ano, a Secretaria da Cultura por meio do Programa de Desenvolvimento do Artesanato do Tocantins (Proarte) vem desenvolvendo um projeto para trazer de volta o costume da confecção do artesanato tradicional nas aldeias. A prática de trabalhar com a madeira, por exemplo, não era mais utilizada antes da iniciativa. O projeto está sendo realizado nas comunidades karajás (aldeias Fontoura, Santa Isabel e Macaúba) e em aldeias xerentes e krahôs. O trabalho consta de orientações sobre o melhor aproveitamento da matéria-prima, com a preocupação da preservação do meio ambiente. Além do retorno a uma tradição, o programa propiciou também o aumento da produção nas aldeias.

A coordenadora do Proarte, Rosane Farias, diz que os karajás já estão comercializando os produtos com empresas do Rio de Janeiro e São Paulo. Os karajás, que são ceramistas por excelência, voltaram a fazer peças em madeira, trazendo de volta um costume antigo. Os xerentes também estão revendendo sua produção feita de sementes silvestres e fibra de buriti. "Desta forma, a arte indígena tornou-se o maior gerador de renda destas comunidades", afirma Rosane, informando que o trabalho deve ser estendido a outras comunidades indígenas no Tocantins.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.