VOLTAR

Projeto sobre gestão de Florestas Nacionais será implementado na Amazônia

Ibama
10 de mar de 2004

A importância do Plano de Manejo na Gestão de Florestas Nacionais e a necessidade de simplificar e padronizar esse tipo de documento serão temas de oficina promovida pela Diretoria de Florestas do Ibama em Porto Velho (RO), no período de 17 a 19 de março de 2004. Ela integra as ações do Projeto "Modelo de Gestão de Florestas Nacionais", que será implementado na Flona do Jamari, em Rondônia.

Esse projeto é parte de outro mais amplo, voltado para o fortalecimento do Manejo Florestal na Amazônia, financiado pelo Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil (PPG7). A Floresta Nacional do Jamari foi escolhida como sede do projeto, tanto pela boa infra - estrutura quanto pelo fácil acesso - além de essa Flona ainda não possuir Plano de Manejo.

A partir de oficinas, seminários e cursos, o Ibama pretende, ao longo do ano de 2004, capacitar técnicos das Florestas Nacionais dos Estados de Rondônia (Jamari e Bom Futuro), Amazonas (Tefé, Humaitá, Mapiá-Inauini e Purus), Acre (Macauã, São Francisco e Santa Rosa do Purus), Roraima (Roraima) e Amapá (Amapá) e multiplicar experiências positivas, fortalecendo o sistema das Florestas Nacionais da região.

Atualmente, a maioria dos Planos de Manejo das Flonas e demais Unidades de Conservação é elaborada por consultorias externas, o que torna o processo oneroso e com resultado muitas vezes insatisfatório. "O fato de ser feito por empresas que não acompanham o dia-a-dia da Unidade e desconhecem a capacidade do Ibama e de seus parceiros pode fazer com que o Plano de Manejo não contemple exatamente o que a Flona precisa", explica o coordenador do Projeto no Ibama, Adalberto Iannuzzi Alves. Para ele, a realização desse projeto será uma oportunidade de tornar o processo mais rápido, barato e fiel à realidade de cada Floresta Nacional.
(-Ibama-Brasília-DF-10/03/04)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.