VOLTAR

Projeto do Museu Goeldi lança publicação sobre pesca

MCT - www.mct.gov.br
10 de Dez de 2009

O Grupo de Pesquisa Renas, da Coordenação de Ciência Humanas (CCH) do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG/MCT), lança hoje (10), às 9h30, no município de Curuçá (PA), o quarto volume da série Cadernos da Pesca - Informes de Pesquisa.

O livro é organizado pelas pesquisadoras Lourdes Furtado, Isolda Maciel da Silveira e Graça Santana, com apoio de Alice Martins, e apresenta resultados de estudos entre populações pesqueiras realizados por bolsistas do projeto e por grupos locais, que participaram da programação promovida e coordenada pelo Renas.

Direcionado para as atividades desenvolvidas na microrregião do Salgado, nordeste paraense, em especial em Curuçá, que abriga em seu território, a Reserva Extrativista Marinha Mãe Grande, as informações contidas no volume revelam problemas sócios ambientais; avanços no campo da aqüicultura e do artesanato; a divulgação de espécies aquáticas e medicinais; a descoberta da importância do quintais para nutrição trabalho e renda; o mapeamento dos marcos regulatório e da violência na pesca.

Os pescadores do município participaram das pesquisas e também da publicação. Para transformar suas vivências diárias nos relatos de experiências contidos no Caderno de Pesca, a comunidade local se dividiu em cinco grupos, que se autodenominaram: Go, Mero, Miquim, Pargus e Tainha (os nomes representam espécies de peixes comuns na região).

Renas

O Projeto Populações Tradicionais Haliêuticas - Impactos Antrópicos, Uso e Gestão da Biodiversidade em Comunidades Ribeirinhas e Costeiras da Amazônia Brasileira (Renas), realiza, a mais de duas décadas, estudos entre populações pesqueiras na amazônia brasileira, sendo, portanto na região, pioneiro nesta atividade, que tem como principal objetivo contribuir com o desenvolvimento regional. Em sua trajetória o projeto, se destaca pela difusão dos conhecimentos produzidos para as comunidades onde realiza os estudos.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.