VOLTAR

Projeto da Usina de Tijuco Alto volta a ser discutido

OESP, Economia, p. B7
26 de out de 2004

Projeto da Usina de Tijuco Alto volta a ser discutido

José Maria Tomazela
Sorocaba

O Grupo Votorantim retomou no fim de semana as discussões sobre o projeto de construção da Usina Hidrelétrica de Tijuco Alto, no Rio Ribeira de Iguape, com ambientalistas e membros da comunidade. As primeiras reuniões públicas foram realizadas sábado e domingo, respectivamente nos municípios de Ribeira, em São Paulo, e Adrianópolis, no Paraná. O rio nasce em território paranaense e deságua no litoral sul paulista, depois de cortar o Vale do Ribeira. E o único dos grandes rios paulistas que ainda não tem barragens.
O projeto apresentado à comunidade é diferente do original, que teve o processo de licenciamento indeferido pelos órgãos ambientais. A empresa optou pela instalação das turbinas na própria barragem, que ficará no município de Adrianópolis. O projeto anterior, de 1994, previa a construção de um túnel sob a barragem, levando a água até as turbinas, dez quilômetros rio abaixo, no município de Ribeira.
A alteração foi feita para reduzir o impacto ambiental que o desvio de fluxo causaria na vazão do Ribeira no trecho entre as turbinas e a barragem. As reuniões são preparatórias para as audiências públicas a serem realizadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), como parte do processo de licenciamento da obra, já requerido pelo grupo.
A Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), empresa do grupo responsável pela hidrelétrica, contratou a CNEC Engenharia para a realização dos estudos ambientais. A empresa já definiu, com o Ibama, os critérios a serem seguidos para a elaboração do Estudo e Relatório de Impacto Ambiental. O estudo deve ficar pronto em 2005. Se for aprovado, o Ibama autorizará o início das obras. Prefeitos da região acompanharam a reunião e manifestaram apoio à obra, que deverá durar quatro anos e gerar 215 MW.

OESP, 26/10/2004, Economia, p. B7

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.