VOLTAR

Produtores de Anajás recebem mais de R$ 1 milhão em crédito rural

Agência Pará - http://www.agenciapara.com.br
08 de nov de 2012

Noventa e cinco famílias agricultoras de seis comunidades do município de Anajás, na ilha do Marajó, recebem nesta sexta-feira (9) o montante superior a R$1 milhão em crédito rural, da linha floresta, do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Os projetos do Banco da Amazônia foram intermediados pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater).

Há cerca de seis meses, técnicos da Emater estiveram nas comunidades Cate-Espera, Luciana, Purus, Coquirijó, Santa Luiza e Bela Vista fazendo levantamento de campo de produtores rurais com potencial produtivo de açaí e seringueira, produtos com bom valor de mercado e aceitabilidade. As famílias agricultoras vão receber o crédito na agência do Banco da Amazônia. Será destinado um valor de R$ 11 mil para cada uma.

Segundo o chefe do escritório local da Emater, José Nilton Silva, o valor será destinado, por exemplo, para o manejo de açaizais, com a limpeza das áreas, desbaste de touceiras, eliminação de espécies sem valor comercial, seleção de sementes, produção e plantação de mudas, transporte, roçagem e colheita.

"Todo o processo está descrito nos projetos escritos por nós, da Emater, tanto para a produção de açaí quanto de seringa. Os produtores terão três anos para produzir até iniciar o pagamento do financiamento. No total, o crédito somou R$ 1.078.60,90 a ser liberado para o município", explicou.

Sobre o retorno financeiro da atividade de manejo de açaí, o chefe da Emater ressalta que a procura por açaí no município de Anajás é tanta que ele chega a faltar no mercado. "Aqui a população tem o costume de almoçar com açaí todos os dias, ou seja, o consumo é muito alto. Além do mais, pela qualidade, ainda abastecemos os mercados de Belém e Macapá", informou.

http://www.agenciapara.com.br/noticia.asp?id_ver=111274

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.